Signo Touro na 7ª Casa do Horóscopo

signo touro na 7ª casa do horóscopo

Continuamos a apresentar os efeitos da colocação dos signos na 7ª casa do horóscopo. Esta colocação é especialmente importante pois o signo que ocupa a 7ª casa é oposto do signo Ascendente e, por via disso, é-lhe complementar. Na 7ª casa exprimem-se as qualidades que, sendo relativas aos outros, são no entanto fundamentais para que a nossa identidade se complete. Tudo o que é expresso pela 7ª casa precisa, desse modo, de ser integrado na identidade de forma dinâmica e é algo com o qual cada personalidade tem que lidar ao longo da vida.

Poderá ler um pequeno resumo dos significados da 7ª casa aqui.

Para uma abordagem mais aprofundada sobre a 7ª casa leia o artigo aqui.

Quando o Signo Touro ocupa a 7ª casa do horóscopo – o que acontece para o Ascendente Escorpião– os nativos são conservadores em relação aos parceiros que escolhem. Gostam de um casamento para a vida, estável e esperam o mesmo em  relação ás parcerias de negócios e às amizades.  Atraem por seu lado também pessoas com as mesmas características de confiança e estabilidade, com personalidade e atitudes previsíveis para saberem bem o que podem esperar. Não gostam de der «surpreendidos» pelos parceiros, gostam de manter o mesmo estilo de relacionamento ao longo do tempo pois isso dá-lhes segurança. Isto revela a sua capacidade de compromisso inabalável com os parceiros de todos os tipos. Esta entrega total tem a sua moeda de troca pois, logo que estabelecem um relacionamento formal, fazem-no de forma definitiva e são muito possessivos e ciumentos, exigindo igual compromisso por parte dos parceiros, ou seja, total lealdade e fidelidade.

Os parceiros dos nativos com Ascendente Escorpião são pessoas práticas, determinadas e pacientes, amantes dos prazeres e confortos da vida, sensuais, amantes da boa comida e bebida. Podem colecionar  objetos artísticos ou ter como hobby a cozinha gourmet, ou outras atividades que agradam aos sentidos como a aromaterapia, etc.. Gostam de se rodear de luxo e de conforto e são muitas vezes pessoas com dinheiro e com talento para acumular riqueza.  São igualmente pessoas com necessidades simples, normalmente relacionadas com todos os confortos do corpo e a sua personalidade tende também a ser tranquila e não complicada.

Os nativos de Escorpião, complexos e «atormentados» por natureza, complementam-se bem com a tranquilidade das pessoas do signo Touro, para as quais os prazeres terrenos se identificam com a própria felicidade: comer e beber, conquistar o maior número de posses materiais e alcançar uma boa posição social é tudo o que precisam, para além, é claro, de poderem contar com o afeto incondicional  do parceiro de vida. Esta tranquilidade e estabilidade dos parceiros permite aos nativos de Escorpião encontrar um «reduto de calmaria» no mar tantas vezes tempestuoso dos seus conflitos internos. Se os parceiros lhes devolverem o afeto de que necessitam, estes nativos são leais e fieis ao longo do tempo.

Quando o signo Touro ocupa a 7ª casa do horóscopo o relacionamento com todos os tipos de parceiros pode decorrer com facilidade desde que os interesses e personalidades sejam semelhantes: focados em ganhar dinheiro e em trabalhar de acordo com os objetivos mútuos, atraídos pelas mesmas necessidades e gostos , amantes dos valores tradicionais e da família, estáveis e fiáveis. Mas, quando as personalidades são muito diferentes, os conflitos podem surgir com facilidade e a capacidade de entendimento pode, simplesmente, tornar-se ausente. Pode deste modo acontecer que estas pessoas se confrontem, com alguma frequência, com pessoas conflituosas ou demasiado obstinadas. E, quando têm opiniões opostas, são como « a água e o azeite» torna-se impossível a cooperação e o entendimento mútuo.  Quando os parceiros têm personalidades semelhantes ou objetivos e interesses semelhantes, a cooperação com eles pode ser mutuamente muito vantajosa, sobretudo no plano material dos ganhos e da acumulação de riqueza ou dos objetivos sensuais. Os parceiros íntimos são bastante sexualizados e devem ter necessidades semelhantes para que o relacionamento com eles seja bem-sucedido.

No caso presente da complementaridade Escorpião /Touro, a sensualidade e romantismo de Touro completa a capacidade de intimidade emocional e sexual de Escorpião, sendo esse o fator determinante da relação. Quando se trata de opinar  e de exprimir ideias, no entanto, pode haver conflitos de vez em quando mas, como nenhum dos signos é muito verbal na sua expressão, a expressão física e emocional torna-se mais importante para estas pessoas.

Nenhum destes dois signos, no entanto, é facilmente modificável ao nível das ideias e crenças por isso será bom ver se existe compatibilidade a este nível para garantir a durabilidade da relação. Com parceiros com a personalidade típica de Touro, os nativos de Escorpião podem ter dificuldade em conseguir «subjugar» o parceiro e a chave do entendimento entre ambos será a boa harmonia nas conquistas materiais: Touro luta pelas conquistas mais imediatas e pelo poder no mundo externo; Escorpião luta pela conquista do poder interior, baseado na vontade e no domínio interno das próprias necessidades. Um e outro podem ajudar-se mutuamente a ser mais completos aceitando uma tácita «igualdade» hierárquica no casamento ou parceria. Quando o parceiro (Touro) traz riqueza material e status para o casamento, isso é muto fácil de alcançar.

Em termos kármicos, as pessoas com  o signo Touro na 7ª casa podem revelar um padrão passado em que foram demasiado agarradas aos objetos e riqueza material e desvalorizaram outros «bens» mais espirituais que, muitas vezes, resistem ao «prazer» imediato para se focarem em valores que são de ordem espiritual. Precisam por isso de experimentar, de algum modo, o conflito entre os prazeres imediatos e o valor da vontade espiritual que é capaz de assumir o controlo sobre a dimensão física do corpo e impor uma outra visão acerca da realidade, transformando-se abruptamente através de diversas crises que obrigam a descobrir a finitude de tudo o que tem natureza material, até que cheguem a compreender que apenas o que tem natureza espiritual pode resistir às transformações da matéria física da realidade. Isto não se faz sem dor, pois o corpo habitua-se ao prazer e quer acreditar que isso é tudo o que existe, tudo o que importa manter e alcançar. A crueza da morte mesmo simbólica, ajuda compreender que isso é uma ilusão.

Signo Carneiro na 7ª Casa do Horóscopo

signo Carneiro na 7ª casa

Hoje começamos a descrever os efeitos da colocação dos signos na 7ª casa do horóscopo. Esta é uma casa que significa os relacionamentos de longo termo, os laços legalizados por contrato, o cônjuge, o  parceiro de vida e de negócios, a vitalidade, fertilidade, paixão, natureza extrovertida, adultério, a conduta moral, prazeres, conforto, vida em terras estrangeiras, sucesso nas relações amorosas, vida conjugal, residência no estrangeiro, viagens, comércio, negócios, expansão, generosidade, respeito, o tipo de parceiro para o qual somos mais atraídos, qualidade do casamento. Mostra o nível de paixão,  ciúme e  desejo. A 7ª casa é uma casa de desejo e de sensualidade, estando ligada aos relacionamentos sexuais. Não se trata aqui do amor incondicional mas do amor contratualizado como acontece no casamento, em que as necessidades de ambos os parceiros devem ser satisfeitas. Por essa razão, esta é uma casa em que precisamos de aprender a criar consensos e a sair do «eu» para nos focarmos no outro como uma obrigação e interesse de ambos. Esta é também uma casa maraka representando a morte, pois uma grande parte da nossa energia de vida é gasta nos assuntos ligados com esta casa, representando por isso uma grande concentração energética que gastamos e na qual consumimos, literalmente, a energia física de que somos dotados para evoluirmos nesta Terra.

No corpo físico, a 7ª casa representa a cintura pélvica, a  região lombar, bexiga, parte inferior do intestino grosso, órgãos sexuais internos -útero, cerviz, próstata, ovários, testículos; rins, veias.

Para uma abordagem mais aprofundada sobre a 7ª casa leia o artigo aqui.

Quando o Signo Carneiro ocupa a 7ª casa do horóscopo – o que acontece para o Ascendente Balança– os nativos sentem-se atraídos por parceiros fortes, dominadores, assertivos, egocentrados e egoístas mas também muito independentes, corajosos e inovadores.  Podem ser também agressivos ou, em alternativa, atletas ou pessoas que têm uma atividade  que os faz lidar com a violência como os policias ou militares e outras formas de perigo como  os bombeiros e as forças de salvação e de intervenção. Estes nativos, quando lidam com o público, podem ter que enfrentar pessoas perigosas, agressivas e violentas.

Os signos  que ocupam o Ascendente e a 7ª casa são opostos entre si o que significa que o signo na 7ª casa representa as qualidades que consideramos extremas e opostas em relação à nossa própria personalidade mas que, para alguns, são poderosamente atrativas, talvez porque nos obrigam a desenvolver aspetos escondidos da  nossa própria personalidade. Os relacionamentos são palco privilegiado para esse encontro com as várias facetas da identidade que nesta vida não queremos desenvolver por nós próprios mas que o relacionamento com os outros nos ajuda integrar em nós, se formos bem-sucedidos.

Quando o signo Carneiro ocupa a 7ª casa do horóscopo a relação com os parceiros de todos os tipos pode ser complicada,  agressiva ou baseada em constante argumentação e discussão, sendo difícil haver harmonia nos relacionamentos. Isto pode acontecer não só porque  o próprio nativo é argumentativo mas porque atrai parceiros com os quais é difícil criar entendimentos e consensos. As parcerias de negócios e o casamento podem transformar-se muitas vezes numa espécie de «batalha campal». Os parceiros são extremamente competitivos  e têm dificuldade em cooperar, procurando sempre ficar «em primeiro». Assim, tanto nos negócios como na vida, o espírito competitivo está sempre presente e, se por um lado pode ser estimulante pois leva cada um dos parceiros a tentar exceder as suas limitações para se aperfeiçoar, por outro lado impede a criação de um verdadeiro relacionamento em que as pessoas trabalham em conjunto para alcançar os mesmos objetivos para se tornar num constante discurso em que o «eu» está sempre primeiro. É «cada um por si» , o próprio relacionamento torna-se uma competição, contando-se todos os «pontos positivos» e negativos de cada um quando se trata de «assacar culpas» por aquilo que corre mal.

Estes nativos tendem a casar cedo pois colocam o seu foco de ação nas parcerias e adoram o período em que se envolvem apaixonadamente na conquista do parceiro. É,  deste modo,difícil interessarem-se por parceiros que entram no relacionamento sem luta. Isso faz com que o parceiro seja visto como algo que é seu de direito pois a «conquista» estabelece a posse e o domínio sobre ele. Todos os  parceiros são vistos, até certo ponto, como oponentes que é necessário vencer.  Os parceiros mais atraentes  são os que têm carisma e capacidade de liderança. Mas também os há que não querem casar para não perder a sua independência.

Estas características «jogam» tanto para o parceiro dos nativos com Ascendente Balança como para estes, que também não gostam de parceiros «fáceis», gostam que estes sejam capazes de se  impor e que tenham uma personalidade forte e mesmo agressiva. Estes nativos encaram os relacionamentos a partir do seu próprio ponto de vista e do que querem e desejam e isso não facilita a harmonia nesta área.

Por outro lado, gostam que os parceiros tomem as decisões sobre  o que é importante para as suas vidas, ao mesmo tempo que podem concentrar a sua ação no próprio parceiro e em tentar agradar-lhe.  Em termos kármicos, as pessoas com Carneiro na 7ª casa podem mostrar um padrão passado em que não foram capazes de ter em conta o «nós» que resulta da cooperação e da harmonia com o outro e, por isso, os parceiros que escolhem exprimem esse padrão vindo do passado para que aprendam a praticar a cooperação e a articular o eu e o outro num nós que funcionam em conjunto e em harmonia.

Mas, até que o equilíbrio entre o «eu » e o  «outro» seja possível, pode haver um longo percurso no qual o nativo começa por agradar aos parceiros e se submete à vontade destes para , a certa altura, evoluir para um estado em que eu e tu não se anulam mas, mantendo a sua singularidade, se tornam capazes de cooperar  e de criar uma realidade nova que é a do «nós.