Glossário Astrológico- Anga Vidya

Anga Vidya capa

O conceito de «anga vidya»  refere-se à «ciência do conhecimento das partes do corpo» ou «ciência dos membros» (do corpo) que tradicionalmente é descrito nos Vedas e  permite fazer prognósticos sobre a vida de uma pessoa e atestar o seu grau de perfeição, pela existência ou não de certas marcas no corpo chamadas rajalakshanas (marcas auspiciosas). Outras particularidades das formas e expressões do corpo têm significados específicos. Na sabedoria tradicional eram reconhecidas 6 partes principais do corpo (da divindade e do ser humano): cabeça, peito, mãos, lados ou flancos, quadris/cintura e pés. Secundariamente reconheciam-se 6 membros secundários designados por Upanga: olhos, sobrancelhas, globo ocular, nariz, mandíbulas, queixo, dentes, face, tornozelos, dedos da mão e dos pés. Também se reconheciam membros terciários ou prathyangas: omoplatas, parte de trás da cintura, braços, cotovelos,  pulsos, coxas, joelhos. barriga da perna, tornozelos. Cada divisão destas «partes» é presidida por uma divindade  ou devata. A  relação com estas divindades misturava-se com as práticas ancestrais da magia e encantamentos.

Cada tipo de movimento ou latejar de uma parte do corpo era entendido como uma indicação de eventos futuros, especialmente os dos braços e dos olhos. E ajuizava-se se esses eventos eram positivos ou negativos através da parte do corpo em que ocorriam: para os homens, os movimentos do lado direito do corpo eram auspiciosos e negativos os do lado esquerdo do corpo; para as mulheres, devido à sua polaridade oposta, é ao contrário: os movimentos do lado esquerdo do corpo eram considerados positivos e os do lado direito negativos.

Assim, os movimentos involuntários do corpo, incluindo o latejar, eram vistos como «sinais» de eventos que afetariam o destino individual de forma positiva ou negativa. Para afastar os efeitos negativos destes movimentos, faziam-se ofertas em ouro a Brahma.

Alguns dos sábios da antiga Astrologia Jyotish como Varahamhira (sec. VI a.c) davam importância a estes sinais, usando-os para «adivinhar» ou prever o futuro. Este sábio publicou no livro Brihat Samhita  um capítulo, o V, designado Anga Vidya, onde explica os segredos desta forma de interpretação. Segundo este sábio, a memorização dos 44 versos ou slokas e a devoção à divindade permite fazer previsões instantâneas sem perigo de errar. Por ex., quando o astrólogo era procurado para se obter informação acerca do futuro de um evento, o astrólogo devia observar cuidadosamente os gestos da pessoa enquanto esta fazia a pergunta ao astrólogo para ver se esta tocava alguma parte do corpo com os membros. Isso era interpretado de forma específica. (tocar os pés ou outra parte do corpo com a mão, etc.). A hora e o local da pergunta eram igualmente considerados nesta modalidade da Astrologia que é a Prashna ou Astrologia Horária.

Por curiosidade, deixamos alguns dos significados dos movimentos do corpo: o latejar no topo da cabeça significava aquisição de terras; o movimento de latejar nos olhos indicava morte; o movimento na parte superior do braço indicava  união com os amigos. Etc…