Signo Caranguejo na 7ª Casa do Horóscopo

signo Caranguejo na 7ª casa do horóscpo capa

Continuamos a apresentar os efeitos da colocação dos signos na 7ª casa do horóscopo. Esta colocação é especialmente importante pois o signo que ocupa a 7ª casa é oposto do signo Ascendente e, por via disso, é-lhe complementar. Na 7ª casa exprimem-se as qualidades que, sendo relativas aos outros, são no entanto fundamentais para que a nossa identidade se complete. Tudo o que é expresso pela 7ª casa precisa, desse modo, de ser integrado na identidade de forma dinâmica e é algo com o qual cada personalidade tem que lidar ao longo da vida.

Poderá ler um pequeno resumo dos significados da 7ª casa aqui.

Para uma abordagem mais aprofundada sobre a 7ª casa leia o artigo aqui.

Quando o Signo Caranguejo ocupa a 7ª casa do horóscopo – o que acontece para o Ascendente Capricórnio– os nativos sentem-se atraídos por parceiros- de vida e de negócios- que são sensíveis e afetuosos, com grande capacidade de nutrir e cuidar. Os parceiros devem ter algo de «maternal» e protetor e que seja capaz de antecipar as necessidades do nativo, especialmente quando se trata do cônjuge, sem ser necessário pedir-lhe para o fazer. Para estes nativos, homens e mulheres mas particularmente os homens, o parceiro ideal é aquele que atua como a «mãe» satisfazendo todas as suas necessidades de forma «automática» ou espontânea. E, provavelmente como acontece em relação à mãe, acharão muito natural esse comportamento, não vendo qualquer razão para lhe agradecer. No longo termo isto pode ter o efeito adverso de gerar ressentimento por falta de reconhecimento do esforço feito pelo (a) parceiro (a) para satisfazer todas as necessidades de cuidado do nativo e o relacionamento pode começar a  ser marcado pelas mudanças bruscas de humor ou mesmo a zanga dos parceiros.  Estes nativos procuram a segurança emocional no parceiro de vida mas têm dificuldade em mostrar apreço por tudo o que recebem e podem mesmo implicar com a timidez, introversão e excesso de emotividade do parceiro conjugal e tudo isso abre a porta a ressentimentos que, mais tarde ou mais cedo, acabam por pôr em causa o relacionamento.

Os parceiros dos nativos com Ascendente Capricórnio  são sensíveis e sentimentais, gostam de cuidar dos outros e de receber o mesmo afeto em troca.  O gosto por cuidar leva-os a escolher profissões como enfermagem, mestres de cozinha, trabalho num negócio de catering ou de hospedagem, etc..Estes nativos precisam de estar com pessoas que os ajudem a ter uma imagem mais firme e determinada e, por isso, sentem-se atraídos para os nativos com Ascendente Capricórnio. Porém, estes são muitas vezes rígidos demais para conseguir dar o devido valor a parceiros com características de Caranguejo pois estes parecem muito frágeis e vulneráveis, muito «necessitados» de apoio emocional e de encontrar um «porto seguro». Toda a fragilidade dos parceiros incomoda bastante o modo de ser de Capricórnio, que se rege mais pelas regras sociais exteriores e pelos objetivos práticos do que pelos sentimentos e afetos. Assim, podem manipular cuidadosamente os sentimentos dos parceiros porque estes , objetivamente, satisfazem muitas  das suas necessidades do dia a dia, como os cuidados do lar, da alimentação, etc., para além de lhes oferecerem o afeto de que secretamente necessitam mas  que não se permitem admitir que necessitam e, enquanto os parceiros aceitarem a sua autoridade e firme distância como patriarcas e «chefes» de família, o relacionamento corre sobre rodas. O parceiro representado por Caranguejo faz praticamente tudo o que é necessário para haver relacionamento enquanto o de Capricórnio se «deixa amar e cuidar» , com alguma distância e sem retribuir, na maior parte das vezes, o afeto recebido (a não ser em alguns momentos em que «despe a armadura», mas duram pouco).

Quando o signo Caranguejo está colocado na 7ª casa, os parceiros pessoais são frágeis emocionalmente fortalecendo-se quando têm alguém para receber todo o imenso afeto e cuidados que têm para dar. Alimentam-se destes gestos de dar, continuamente, tudo de si ao outro mas, com o passar do tempo, a rigidez marmórea do nativo de Capricórnio começa a gerar «anticorpos» na forma de mudanças bruscas de humor, respostas de zanga e conflitos que começam por espantar o nativo de Capricórnio, convencido de que o  papel do cônjuge é exatamente esse, nutrir e cuidar de si, vendo isto como uma obrigação que considera «paga» pelo contributo que dá para o sustento da família e para trazer dinheiro para casa. E isto não muda  muito quando o nativo de Capricórnio é mulher e o parceiro de Caranguejo é um homem , embora possa haver algumas nuances  mais suaves. Porém, as mulheres com Ascendente Capricórnio são tão ambiciosas como os homens, na sociedade ocidental do sex.21; tal como estes, querem alcançar sucesso na carreira e não são nada dadas ao modelo da «fada do lar», esperando que o parceiro faça isso por elas.

Ora, a ausência de reconhecimento por parte do nativo de Capricórnio, de que os cuidados que recebe são «trabalho» do parceiro e fruto da sua dedicação, acaba por criar conflitos conjugais que, inevitavelmente, levam os parceiros de Caranguejo a perceber que «se enganaram» na escolha e, por isso, é habitual os nativos de Capricórnio terem mais do que um relacionamento conjugal ou união. Nos casos em que este relacionamento é bem sucedido, o parceiro pode ter grande «jeito» para a cozinha e ambos podem passar bom tempo a cozinhar. Mas a distância física em relação ao parceiro nunca é completamente vencida, havendo sempre algum retraimento e embaraço por o parceiro aparentemente precisar de constantes abraços e outras demonstrações de afeto semelhantes, sobretudo se ambos estiverem em espaços públicos.

Mas a 7ª casa representa mais do que o parceiro conjugal. E, quando Caranguejo ocupa esta casa, os nativos de Capricórnio podem ter que defrontar pessoas que podem ser inseguras, que mudam continuamente de estado de humor, que são instáveis psicologicamente, pessoas que precisam de continuamente receber conforto que lhes dê autoconfiança, o que irrita ou deixa aborrecidos os nativos de capricórnio que «não sabem o que fazer» com pessoas tão fracas. Pode também haver um relacionamento de confronto com a mãe e um mau relacionamento com esta que não foi resolvido no passado, permanecendo sob a forma de ressentimento na memória do nativo.

No caso presente da complementaridade Capricórnio /Caranguejo, o nativo de Capricórnio (um signo profundamente kármico) traz do passado imagens subconscientes de grande vulnerabilidade emocional devido à qual esteve dependente de outros e sofreu bastante por causa disso , tendo talvez efetuado atos que tiveram resultados muito negativos, devido à ausência do poder de disciplinar e controlar pela vontade os excessos emocionais. Neste existência precisa de voltar a integrar o lado emocional das suas experiências na sua identidade, aprendendo a superar a rigidez intelectual e a frieza por vezes cínica com que se refugia nas regras institucionais e se esquece da espontaneidade do que sente e deseja.  Capricórnio sabe o que «quer» mas isso é muito mais do que um simples desejo: este é espontâneo e arrasta o indivíduo para a procura de uma satisfação imediata. Mas Capricórnio domou tudo isso e o que «quer» é sempre fruto de um «plano» bem organizado e premeditado pela razão.  Mas, porque isso acaba por reduzir a vida a um mero «esqueleto» programático em que nada de espontaneamente vivo pode surgir na sua vida, nesta existência tem a oportunidade de voltar a deixar entrar o dinamismo da vida na sua existência. Se souber ir para além da distância dos esquemas e dos objetivos materiais.