Signo Sagitário na 5ª Casa do Horóscopo

signo Sagitário na 5ª Casa do horóscopo

Continuamos a descrição do efeito dos signos nas casas do  horóscopo, hoje com a descrição dos efeitos do signo Sagitário na 5ª casa do horóscopo. Para uma breve descrição dos significados da 5ª casa, por favor clique aqui.

Quando o signo Sagitário ocupa a 5ª casa do horóscopo- o que acontece para o Ascendente Leão–  os nativos são otimistas  e gostam de se divertir.  Podem ser extremamente criativos pois a sua intuição liga-os diretamente com as fontes cósmicas do poder de criar. Sentem-se bem a lidar com crianças, tratando-as com carinho e respeito, tanto quando são os filhos como outras crianças. Gostam de brincar com estas e podem dedicar bastante tempo a acompanhá-las, tanto nas brincadeiras como nos estudos e na educação. Podem ter tendência pra exagerar nos mimos, sendo necessária alguma disciplina para não as «estragar» com esse excesso.  No amor, são divertidos e estão sempre prontos para uma nova relação, embora o difícil seja decidirem ficar apenas com um parceiro  de forma mais séria. Precisam de liberdade, de alguma aventura e poucos compromissos. Podem ser fãs de algum desporto que praticam como hobby, ou viajar por prazer e/ou por razões românticas. Podem ainda ter uma ligação forte com alguma religião.

Estas pessoas sentem-se atraídas por parceiros  «sábios», que tenham altos princípios de moral e/ou sejam oriundos de países estrangeiros. Sentem uma atração imediata por realidades que são diferentes das da cultura a que pertencem, tanto na área do amor como do desporto ou religião. Podem, deste modo, escolher um desporto que  se pratique num país diferente, ou uma religião ou filosofia exótica em vez de escolherem as que são praticadas no país de origem.  Gostam também de estudar e de aprender, sobretudo matérias que permitem a autoexpressão criativa, com destaque especial para as artes, tanto as «belas artes» como as artes dramáticas.  As crianças desempenham um papel importante nos seus interesses e reflexões e estes nativos «falam de cátedra» sempre que exprimem opiniões sobre elas. Também gostam de falar sobre desporto, filosofia, religião, jogo, artes… e fazem-no com grande inteligência e intuição, razão pela qual são ouvidos pelos outros com admiração. A sua inteligência é bastante emocional e baseia-se mais na intuição do que  na análise lógica discriminativa. Este é o tipo de pessoa que diz «tenho a certeza de que» e essa certeza não resulta de uma análise lógica demorada mas de um súbito clarão mental que lhes diz que estão certos e nada os demove de tal certeza. E, habitualmente, estão corretos.

O Signo Sagitário é  um signo mutável, extrovertido e otimista, generoso e benevolente, ligando os extremos e os opostos do ser numa mesma condição de pertença e ligação. Representa a esperança de regresso à matriz divina de onde veio todo o ente manifestado, seja qual for o ponto material a que essa manifestação chegou. Neste sentido, representa o otimismo de ultrapassar o mal e a morte e regressar ao plano da luz e da transcendência. Para Sagitário, o meio para  regressar ao divino a partir da finitude e da morte é a sabedoria conquistada pelas experiências de vida; é a capacidade de perdoar  e esquecer o mal, tanto o que o indivíduo faz como o que lhe é feito por outros; é a capacidade para se ligar aos mais fracos e desprovidos de sorte ou de esperança para lhes dar a mão e os ajudar a elevar-se rumo à salvação. É a expansão que dá origem ao futuro, pois é apenas através da dimensão do futuro que pode haver esperança de escapar ao sofrimento presente. Sagitário não escolhe lados nem cria dualismos: gera pontos de união que ligam todos os seres no mesmo destino universal. Representa por isso uma força de redenção.  É claro que, no plano terrestre, em indivíduos menos evoluídos ou não suficientemente evoluídos para manifestar a sua energia de forma superior, este impulso de expansão pode  conduzir a comportamentos de risco em todas as áreas representadas por Sagitário: os indivíduos podem assim dar uma liberdade  excessiva às crianças e esta produzir resultados desastrosos, por estas não estarem preparadas para tal, ou podem correr demasiados riscos ao jogo, excederem-se na comida e bebida em festas  e outros comportamentos de risco; em suma, pode faltar-lhes o ponto de equilíbrio que ajuda a compreender quando parar.

Júpiter ,o regente de Sagitário, representa o guru, é o professor dos deuses, o guardião das tradições e rituais da sabedoria ancestral. Dá a estas pessoas a capacidade para ensinar os outros a partir da sua própria experiência e  o gosto por aconselhar, orientar os outros. Dá-lhes também uma boa intuição, que permite a compreensão global da realidade. Faz deles filósofos e homens e mulheres de sabedoria, amáveis, tolerantes perante a diversidade de valores e de culturas.  Dá-lhes um pensamento crítico para resistirem aos dogmas e letra morta da filosofia ou da religião e incute-lhes o desejo insuperável de procurarem a transcendência, razão pela qual lhes é muito difícil comprometerem-se com pessoas, lugares ou posições profissionais ou sociais. São, por definição, aventureiros nos desafios da vida.

Os filhos destes nativos podem ter talento artístico e são em geral mais maduros, em termos intelectuais, do que é habitual para a sua idade. Gostam de aprender arte, religião, filosofia, ou desporto. Gostam de ser tratados como independentes, resistindo a aceitar opiniões que não partilham. São o tipo de crianças capazes  de manter conversas que , geralmente, só os mais velhos têm.  Gostam de estudar pois sentem necessidade de compreender os fundamentos da realidade em que vivem.  São criativos, intuitivos e sociáveis. Destacam-se pela qualidade das suas opiniões/intervenções, quando questionados pelos professores. Gostam de ser tratados como «iguais» quando falam com os adultos.

Na educação, estas pessoas dão-se bem numa carreira ligada a papeis de conselheiro, atividades artísticas, filosóficas ou religiosas,  também no desporto; e, pelo gosto que têm em correr riscos, podem também gostar de ser investidores ou corretores financeiros. Também podem ser bons professores .