Signo Leão na 9ª Casa do Horóscopo

signo Leão na 9ª casa do horóscopo capa

A 9ª casa é uma casa trikona   que está relacionada com a sorte e a fortuna, com o pai os valores mais elevados, os estudos superiores, etc. Para ler um breve resumo dos significados da 9ª casa,  veja o artigo aqui.

Para ler um artigo mais desenvolvido sobre os significados da 9ª casa, clique aqui.

Quando o signo Leão   está colocado na 9ª casa- o que acontece para o Ascendente Sagitário – os nativos possuem um forte sentido de propósito. São autoconfiantes e amantes do saber. São também autodidatas, fazendo da procura do saber mais elevado o seu propósito de vida e a base das suas crenças. Mais do que acreditarem cegamente em filosofias, crenças religiosas ou metafísicas, precisam da confirmação pessoal para as adotarem como suas. O conhecimento de si próprios é um dos objetivos fundamentais da sua vida e do seu destino.

Com o signo Leão na 9ª casa os nativos valorizam mais o processo de aprender e de se elevarem espiritualmente do que a mera coleção das ideias  de outros. O pai ou uma figura de autoridade pode ter sido o modelo fundamental dos seus valores no início do seu desenvolvimento mas, á medida que iam crescendo, estas pessoas desenvolveram provavelmente comportamentos de rebeldia em relação a todas as ideias ou crenças que o pai ou outras figuras de autoridade (incluindo professores, padres, etc.,) quiseram impor-lhes.  Apenas aceitam as ideias que elas próprias descobrem na sua procura de conhecimento e compreensão da realidade. As viagens e o estudo em países estrangeiros podem ter sido e ser uma fonte de aprendizagem, o mesmo acontecendo com filosofias e outros saberes oriundos de culturas diferentes. A sua própria experiência é o fator mais importante de comprovação da «verdade» em que acreditam.

Quanto às ideias filosóficas, estes nativos privilegiam as que buscam a união entre os opostos- material /espiritual; humano/divino; natureza/espírito etc. Sentem também a necessidade de passar o seu saber a outros, «iluminando-os» com a sabedoria que obtêm por intuição. Estas pessoas escolhem valores nobres e de caráter espiritual e podem sentir que são canais de verdadeira sabedoria  para os outros. É claro que, quando o seu desenvolvimento espiritual não é muito grande, podem ser muito convencidas e arrogantes, acreditando que o seu saber é superior ao de todos os outros, confundindo conhecimento teórico com a verdadeira sabedoria e inteligência aguçada com a expressão de verdades absolutas.

Com Leão na 9ª casa, estes nativos não gostam de viajar «de mochila às costas», precisando de levar consigo muitos dos objetos de conforto de que desfrutam em casa. Embora apreciem a Natureza, dificilmente se sentem bem a pernoitar no campo dentro de uma tenda. Um «resort» com todas as mordomias é bastante mais apreciado…Assim, adoram viajar mas recebendo tratamento «Vip», tanto no meio de transporte como na hospedagem. E com bastantes pessoas dispostas a acudir a todos os pedidos.

O signo Leão na 9ª casa indica forte influência  do pai ou de uma figura de autoridade que o nativo admira (pelo saber, pelos valores e pelo caráter). Mas, mais do que influenciar aquilo que o nativo sabe ou a que dá valor, essa figura serviu/serve ao longo da vida como modelo da sua própria construção do «eu». É a matriz do seu «eu ideal» tanto da pessoa que o nativo quer ser como daquilo em que acredita.  E esse modelo de individualidade ou de «pessoa» acompanha-o ao longo da vida, mesmo quando, por vezes, a  relação com o pai não foi isenta  de conflito. De alguma forma, essa figura de autoridade orienta a consciência de «missão» que estes nativos têm da vida.

No que se refere às ideias e crenças destas pessoas, estas surgem através do seu próprio processo mental como criações suas, tendo por isso um forte cunho individual. Há tendência para rejeitar os valores familiares adquiridos no processo de educação em nome do direito a criar os próprios valores e, nas famílias tradicionais, pode haver muita rebeldia durante o crescimento, devida à recusa em aceitar ideias impostas pela família. e/ou autoridades religiosas, etc. Quando Sol atua na natividade com os seus princípios mais elevados, apesar da tendência para acreditar que as suas ideias são sempre melhores do que as dos outros, não tentarão, apesar disso, impô-las a ninguém, mantendo uma humildade que é a atitude da verdadeira sabedoria. Mas, se o Sol atuar a um nível menos elevado, pode ser difícil conviver com a disposição  de «eu sei tudo» que estas pessoas facilmente adotam, mostrando grande dificuldade em aceitar ideias diferentes das suas ;homens e mulheres identificam-se com a polaridade masculina da energia solar e  gostam de se assumir como autoridades no plano moral e do saber. E, cientes do seu valor como «canais de sabedoria», adoram que as suas ideias sejam seguidas.

A visão do mundo dos nativos  com Ascendente Sagitário espelha os seus valores, criatividade e «inspiração» e é em geral diferente das conceções convencionais. Gostam de se inspirar nas ideias de grandes figuras da filosofia e da religião ou do mundo espiritual e defendem valores de compaixão e união do todos os seres, quando o sol atua de forma mais elevada. Se assim não for, as suas crenças seguem mais critérios estéticos ou de ligação ao culto da personalidade do que os valores arcanos da espiritualidade.

Quando o signo Leão está colocado na 9 ª casa a relação com o pai é muitas vezes pautada pelo choque de personalidades. O pai pode ser alguém criativo, ambicioso e bem-sucedido, mas com pouco tempo para uma relação de grande profundidade com o nativo. Este aprende mais pela observação do comportamento do pai do que pela interação de proximidade com este.

Quando o signo Leão está colocado na 9ª casa as crenças  podem ser originais e fora do que é convencional no meio de origem, com o nativo a destacar-se pelo seu pensamento original e pessoal. Quando se enraízam  tendem a manter-se ao longo da vida.

Conjunção Sol Júpiter na 12ª Casa Signo Peixes

Completamos hoje a descrição dos efeitos da conjunção Sol  Júpiter nas casas e signos, descrevendo os efeitos da combinação Sol Júpiter na 12º casa e signo Peixes.

Para saber os efeitos da colocação do Sol na 12ª casa leia o artigo aqui.

Quando Júpiter está colocado na 12ª casa , da qual ele é o regente natural, expande todos os seus significados, tanto os positivos como os menos positivos.  Assim, o nativo pode ter uma prodigiosa imaginação, pode também ser incrivelmente intuitivo e ter aptidões psíquicas que lhe dão acesso a planos de realidade mais subtis. As preces e/ou os sonhos podem ser importantes fontes de orientação e de criação. As viagens para países distantes são outras fontes potenciais de despertar espiritual ou religioso. Estes nativos também podem desenvolver atividades de diplomacia internacional de tipo confidencial e serem bem- sucedidos. Estas pessoas são muitas vezes visionárias e podem criar mundos imaginários que estimulam a fantasia e a compreensão simbólica do público. Alguns são espiritualmente desenvolvidos e encontram grande conforto nas atividades espirituais como meditação, trabalho de apoio em prisões e hospitais, aconselhamento de pessoas com alguma limitação como toxicodependência, marginais da sociedade, etc., abrindo-lhes novos horizontes com uma  perspetiva de vida  com mais esperança.

Os nativos com Júpiter na 12ª casa são particularmente sonhadores , vivendo preferencialmente no mundo subtil  ou «astral», do imaginário e dos sonhos, tendo pouca aptidão para se adaptarem ao mundo concreto e material. Esta fraca aptidão  para a vida prática quotidiana pode ser um dos fatores que explicam a crónica situação de falta de dinheiro, despesas avultadas e ideias pouco firmes acerca da realidade.

Sendo um planeta karaka dos filhos, Júpiter na 12ª casa pode indicar filhos escondidos, nascidos fora do casamento ou que vivem numa terra diferente do nativo, sendo que esta pode ser um país estrangeiro. Do mesmo modo o nativo pode manter diversos relacionamentos de caráter sexual privados, por vezes implicando estadia em país estrangeiro.

Júpiter na 12ª casa também favorece  uma vida errante, favorecendo igualmente a prosperidade desse modo de vida ,com o nativo a viajar para diferentes países. Mas Júpiter nesta casa não aumenta substancialmente os bens materiais sendo antes favorável ao desenvolvimento espiritual e ao bem- estar em todos os ambientes confinados (incluindo o privado quarto de cama). Os significados das casas que Júpiter rege no horóscopo fazem-se sentir principalmente no plano espiritual ou na criatividade através da imaginação.

Alguns nativos podem ter dons espontâneos para curar, especialmente no plano psíquico. Em algumas culturas são considerados os conselheiros certos para ajudar na passagem desta vida para o «além morte» no processo de morte física, dizendo-se que Júpiter na 12ª casa consegue contactar os espíritos ancestrais e facilitar a mudança ou transição da vida corpórea para a espiritual. Muitos são psíquicos ou médiuns reputados.

Numa natividade cujo cônjuge é masculino, este é encontrado muitas vezes num ambiente religioso ou espiritual, em terras estrangeiras, num ambiente artístico ou de entretenimento em que a imaginação é um fator principal, num espaço de meditação etc.; especialmente no primeiro casamento pode haver residência em país estrangeiro.

Segundo os clássicos, Júpiter na 12ª casa  protege o nativo onde quer que este esteja, guiando-o no seu percurso terreno. Os nativos podem também envolver-se na procura de prazeres materiais para aprenderem a lição da sua futilidade e insuficiência para preencher o sentido da vida. Enquanto prosseguem estes objetivos materialistas, os nativos podem enveredar por um caminho de preguiça e indulgências de todos os tipos e procurar um tipo de vida cheio de luxo. Simultaneamente, porém, serão filantropos e amigos de ajudar os que precisam, gastando largas somas de dinheiro nessas atividades. Experienciarão diversas dificuldades na vida, destinadas a fazer-lhes perceber que o caminho de realização pessoal não é o da satisfação dos sentidos. Quando Júpiter é um funcional benéfico, estes nativos ganharão dinheiro através da prática de métodos de cura, estudos ocultos, da sabedoria ancestral e até dos inimigos, porque levam a melhor sobre estes.  Quando Júpiter é um maléfico funcional os outros não gostam do nativo, este pode usar linguagem menos apropriada, tem poucos filhos , poderá ser arrogante e ganancioso, acompanhando com pessoas de má índole.. Ganhará bastante mas terá também grandes despesas. Será instruído. Pode gastar bastante em atividades espirituais/religiosas. É egoísta . Gasta dinheiro mal gasto, é preguiçoso , hostil para os familiares, instável e malevolente, não recebe respeito dos outros, tem falta de modéstia, viaja muito. É extravagante, impaciente, pouco caridoso, pode ter problemas cardíacos na infância.

Quando atua de forma menos positiva no mapa, Júpiter na 12ª casa pode indicar dependência de álcool e outras substâncias que provocam alterações na perceção, gastos excessivos e insensatos, excesso de confiança de que terá proteção em qualquer circunstância, etc.

Para saber os efeitos da colocação do Sol no signo Peixes, leia o artigo aqui.

A colocação de Júpiter no signo Peixes que ele próprio rege torna o indivíduo extremamente intuitivo e inclinado para as práticas religiosas ou espirituais. Pode ser devoto; aprecia estar recluso e em meditação. Os nativos são ainda extraordinariamente dotados de imaginação e da capacidade para criar/visualizar mundos alternativos, criados pela sua fantasia ou vislumbrar realidades subtis, de natureza psíquica, sem dificuldade. Estas pessoas parecem ter acesso imediato à sabedoria do «inconsciente ou imaginário universal» através dos sonhos e da sua criatividade. Têm também uma natureza compassiva e generosa, gostando de ajudar os outros. Os antigos afirmavam que estas pessoas recebem orientação dos guias espirituais e dos espíritos ancestrais, através dos sonhos e da perceção subtil ou «inspiração».  Apreciam a pureza moral e as crianças como símbolos dessa  inocência e bondade inata. Acreditam na bondade inerente ao Universo expressa no amor divino incondicional.  Podem, deste modo, levar conforto espiritual aos que sofrem, recebendo inspiração de forças espirituais. Alguns podem possuir capacidades psíquicas telepáticas  e de clarividência.  Podem viajar com frequência para lugares distantes.

A colocação de Júpiter em Peixes pode indicar uma vida confortável em termos financeiros, conforme a colocação do signo Peixes. Os nativos podem ainda alcançar uma boa posição na vida como professores, guias espirituais e conselheiros, etc.. a sua natureza moral é em geral irrepreensível, estas pessoas regem-se por princípios e valores morais elevados. A generosidade de caráter torna-as populares. Possuem tendências religiosas fortes  e/ou místicas. Estas pessoas necessitam de sentir que estão ligadas ao divino.  Os nativos com Júpiter em Peixes procuram uma verdade mais essencial ainda do que a da Filosofia, a «verdade divina» e veem para lá dos limites da mera compreensão e verdades humanas,  Procuram atingir, através da meditação ou da imaginação, ou sonhos, essa verdade que só se deixa ver através de uma recetividade que implica  colocar fora de atuação a mente lógica e os seus raciocínios. A perceção intuitiva recebida é então convictamente sentida como verdadeira, obtida interiormente com os olhos espirituais e com o coração. E esses nativos não precisam de «provas» nem argumentações exteriores a isso, pois sabem que a verdade que sentem/procuram é transcendente e só se encontra quando a mente racional se aquieta e neutraliza, numa pura receção meditativa.

A natureza transcendente da «verdade» que  Júpiter na 12ª casa permite captar faz com que as divisões e hierarquias sociais não façam qualquer sentido para estas pessoas pois a divina sabedoria e  o amor divino incondicional destinam-se a todos sem exceção, desde que se abram para a intuição e se prepararem para sentir essa verdade em si mesmos

Nas natividades em que o cônjuge é masculino, este tem uma natureza espiritual profunda, nobreza moral e  generosa. Pode ser um artista, uma pessoa com poderosa imaginação e criatividade.

Mas nem tudo é necessariamente bom nesta posição, apesar de ela ter fama de indicar que o nativo será «salvo» de circunstâncias difíceis e terá vitória sobre os obstáculos.

Conjunção Sol Júpiter na 12ª Casa Signo Peixes

Quando o Sol e Júpiter estão conjuntos na 12ª casa /signo Peixes é necessário avaliar bem a natureza funcional dos planetas no horóscopo e a sua força.  O sol é amigo de Júpiter e está bem colocado junto de Júpiter, pois os canais de criatividade espiritual fluem naturalmente para o Sol que individualiza essa sabedoria criativa distribuindo-a para outros mas não está bem colocado na 12ª casa, uma casa de invisibilidade, de retiro, de obscuridade na qual o público não se apercebe da realidade manifestada a não ser através da imaginação e criatividade. A energia solar unida à de Júpiter na 12ª casa ou signo Peixes faz com que o nativo sinta que encarna uma missão espiritual, seja esta desenvolvida através da orientação espiritual de outros, seja através do ensino ou expressão artística. Se os planetas estiverem bem colocados e tiverem natureza positiva, o nativo pode tornar-se um mestre, guru, pregador ou professor, ou ainda conselheiro, orientador espiritual dos outros, de forma relativamente humilde e revelarando a sua sabedoria  no interior de uma comunidade fechada, seja esta um mosteiro, uma escola não pública, uma instituição esotérica, etc..Embora esta conjunção na 12ª casa não dê visibilidade pública ao nativo, que permanece desconhecido fora dos limites da comunidade onde exerce a sua ação e influência, pode tornar-se um verdadeiro líder carismático dentro da organização a que pertence e para o público a quem se dirige.

Quando o Sol e Júpiter se comportam de forma menos positiva no horóscopo, a pessoa pode formar uma imagem totalmente distorcida de si, atribuindo-se qualidades divinas ou de iluminação e acreditando-se como «enviado» por Deus, como sendo uma dádiva para a humanidade   e pode ter um grande carisma e ser seguido pelos outros, embora normalmente os resultados sejam uma ilusão e uma incapacidade para distinguir o que é real do imaginário.

Em outros indivíduos esta conjunção pode levar a todos os tipos de excessos que podem inclusivamente levar á prisão. Pode produzir um tal excesso de confiança na própria sorte que o nativo acredita que será sempre «salvo» das circunstâncias desagradáveis e das situações de perigo e pode arruinar-se; pode perder todos os bens (por ex., ao jogo, pode levar à perda do emprego e da família, etc.. Mas a tendência para Júpiter aprender com as suas experiências pode fazer com que o nativo queira servir de exemplo para outros  e, se enfrentou por ex., um vício de jogo, pode querer ajudar outros, ao recuperar-se ele mesmo desse vício, a escapar também às suas garras. No fundo, a pessoa acredita sempre que a situação presente há- de mudar e  que pode mudar para melhor.

O Sol é uma energia individualizada e, na 12ª casa, impele o indivíduo a separar-se dos valores e da autoridade representada pelo pai (que está de facto muitas vezes ausente da vida dos nativos)  e exprimir as crenças e convicções a partir da verdade encontrada no seio de si mesmo. Júpiter dá ao indivíduo a capacidade para intuir essa verdade e o otimismo que o conduz até ela e o resultado pode ser o surgimento de um ego bastante inflado que acredita ser capaz de «falar com Deus». Isso algumas vezes pode ser positivo quando a pessoa mantém de fora a arrogância mas, em outras conduz, infelizmente, a um tipo de orgulho que perde de vista a verdadeira sabedoria pois centra-se apenas no ego da personalidade não conseguindo ir mais além.

Glossário Astrológico- Debilidade (dos Planetas)

glossário debilidade capa

O conceito de «debilidade» refere-se a um estado de fraqueza dos planetas quando ocupam um determinado signo. De acordo com este conceito, para cada planeta existe um signo cuja energia é incompatível com as qualidades energéticas do planeta e a consequência é a diminuição da força de influência desse planeta.

Para além de se atribuir um signo de «debilitação» a cada planeta, os antigos astrólogos védicos mas também árabes usavam diversos meios para avaliar a força e a fraqueza dos planetas, atribuindo pontos que permitiam determinar qual era o planeta mais forte no horóscopo , designado «Almuten» pela astrologia árabe do séc. XI mas que é muito mais antigo, encontrando-se  na astrologia antiga nos trabalhos de Ptolomeu. O Almuten   significa «o mais forte em poder» e era este o verdadeiro regente do mapa e não simplesmente o regente do Ascendente. Este planeta mais forte era visto com cuidado para se determinarem as características da personalidade e do caráter do nativo. As características do temperamento desse  signo/ planeta eram transpostas para o modo de ser do nativo.

No séc. XVII  o célebre astrólogo inglês William Lilly descreveu, na sua obra Christian Astrology  quais os passos a seguir para determinar  qual o «planeta mais forte e, por essa razão, mais dignificado no horóscopo: Lilly  reconhecia dignidade e debilitação «essenciais» e «acidentais e atribuía pontos positivos ou negativos conforme o caso. A dignidade essencial incluía: estar colocado no próprio signo ou em receção mútua com outro planeta (+5 pontos); estar no signo de exaltação ou receção mútua por exaltação (+ 4 pontos); estar colocado na própria triplicidade (signo fixo, mutável ou cardinal- + 3 pontos); estar nos próprios termos (+ 2 pontos); estar na própria face (´1 ponto).

A escolha das condições de dignificação por Lilly seguem os princípios da astrologia grega antiga sendo que Ptolomeu , por usa vez, recorreu aos egípcios, tendo adotado a classificação destes quanto à dignidade referida como «um planeta nos seus próprios termos». Os egípcios tinham uma tabela na qual se distribuíam signos e planetas. Segundo parece, Lilly usava esta classificação em especial para ajuizar sobre a aparência física do nativo. Um planeta está nos «próprios termos » quando está colocado numa porção de um signo da qual é o regente. Esta divisão de um signo por partes em que cada parte tem a regência de um planeta diferente é também muito usada na astrologia Jyotish e, ao longo do tempo, na astrologia horária. Do mesmo modo, um planeta era dito como «estando na face» quando estava no próprio  decanato. Também esta «dignidade»  foi originalmente desenvolvida pelos egípcios e, posteriormente, usada pelos gregos e romanos e depois pelos astrólogo medievais e modernos ocidentais.  A tabela de dignificação usada por Lilly era a originalmente seguida pelos egípcios. Também eram reconhecidas dignidades acidentais relacionadas com a posição por casa e outros.

Quanto à debilitação essencial Lilly refere: quando um signo está colocado no signo de detrimento (- 5 pontos); quando está no signo da sua queda (- 4 pontos); quando está colocado num signo em que é peregrino (- 5 pontos).

Explicando melhor: um  planeta tem debilitação essencial quando está colocado no signo oposto ao seu (detrimento). Este signo é o mais afastado da sua posição (Leão e Aquário, por ex.,) pois, tendo em consideração que, nesta classificação o planeta está no máximo da sua força quando colocado no próprio signo, considera-se no ponto mais vulnerável quando está no signo oposto. Por outro lado, está em «queda» quando está colocado no signo oposto ao da sua exaltação. Assim, Vénus por ex., está exaltado no signo Peixes e em queda no signo virgem.  Quanto à debilidade causada pela condição de peregrino, esta refere-se à colocação do planeta num signo qualquer em que o referido planeta não tem nenhuma das dignidades essenciais nomeadas acima. Nas palavras de Lilly «um planeta peregrino é como um marginal atirado para fora do seu país sem esperança de retorno».

Para além destas 3 debilidades essenciais, Lilly referiu ainda um número de debilidades acidentais que incluem, por ex., a colocação do planeta na 6ª, 8ª ou 12ª casa; estar retrógrado; em movimento lento; a Lua quando está minguante; combustão; posição oriental ou ocidental dos planetas, etc.

Constatamos assim, pelo estudo das origens da Astrologia e da sua prática e conceitos na cultura ocidental que ela mostra ter muitos conceitos comuns aos usados pela Astrologia védica e isto revela que, em tempos recuados, a sabedoria astrológica deve ter sido universal e partilhada por sábios de todo o mundo civilizado, tendo sofrido alterações posteriormente na época medieval.  Continuaremos a explorar estas raízes antigas da Astrologia, sobretudo a que nos chegou a partir da civilização grega (que, por sua vez, foi buscar os fundamentos desse saber aos mesopotâmios, babilónicos e egípcios e talvez também à Índia). Parece hoje cada vez mais evidente que não é possível atribuir a uma só cultura a origem deste saber milenar, ele foi multicultural desde o início, pelo menos nas fontes que têm chegado até nós.

Signo Caranguejo na 9ª Casa do Horóscopo

signo Caranguejo na 9ª casa do horóscopo capa

A 9ª casa é uma casa trikona   que está relacionada com a sorte  e a fortuna, com o pai , os valores mais elevados, os estudos superiores, etc. Para ler um breve resumo dos significados da 9ª casa,  veja o artigo aqui.

Para ler um artigo mais desenvolvido sobre os significados da 9ª casa, clique aqui.

Quando o  signo Caranguejo   está colocado na 9ª casa- o que acontece para o Ascendente Escorpião – os nativos podem sentir-se «em casa» quando estão em viagem por algum país estrangeiro. Muitos podem mesmo decidir viver fora do país natal. Pode haver um forte apego a algum país estrangeiro e á sua cultura ou língua. Para estas pessoas, o «lar» é uma imensa comunidade que se estende para o exterior das fronteiras onde nasceram e podem mesmo ter uma atitude do tipo «cidadão do mundo». Normalmente, estes nativos têm também grande facilidade para aprender línguas estrangeiras e podem ser muito versados sobre costumes e aspetos da cultura de outros países.

Com o signo Caranguejo na 9ª casa os nativos valorizam em particular as ideias e filosofias que dão conforto ao ser humano e ás suas inseguranças. Preferem filosofias tradicionais às contemporâneas porque as mais antigas estão enraizadas nos costumes e na maneira de ser das pessoas numa dada cultura. Gostam também bastante de estudar assuntos de pedagogia e educação. Uma razão que pode explicar o seu interesse por países e culturas estrangeiras pode ter a ver com o facto de a mãe poder ser estrangeira e oriunda de outra cultura ou professar alguma religião exótica. Mais do que interessarem-se verdadeiramente pela filosofia, estas pessoas são mais inclinadas para aderir a ideologias ou religiões cujas ideias e valores lhes permitem fundar uma visão do mundo estável e tradicional. Gostam igualmente de estudar psicologia e pedagogia, cujo saber tem aplicação prática em áreas que apreciam. Assim, poderão escolher uma profissão em que lidam com crianças em termos pedagógicos ou terapêuticos. São conservadoras e enraizadas na ideia de comunidade, Pátria, proteção e não aderem com facilidade a qualquer «ideia moderna» seja esta sobre o mundo, sobre o ser humano ou sobre as crenças e a relação destas com a «verdade». Pátria e Família são valores que consideram essenciais embora possam entendê-los não só como realidades físicas mas também como uma comunidade entre «espíritos» que partilham as mesmas formas de ser e de ver o mundo.

Com Caranguejo na 9ª casa, muitos destes nativos podem apreciar viajar «com a casa», adquirindo uma roulotte e adotando um estilo de vida «móvel» em que podem mudar frequentemente o local onde «vivem» e o seu contexto.

O signo Caranguejo na 9ª casa indica forte influência da mãe e das suas crenças no modo como o nativo projeta o seu próprio significado da realidade e a sua noção de verdade. Pode seguir a religião da mãe, os seus padrões de cultura, se esta for estrangeira ou dedicar o seu estudo superior à investigação da maternidade ou da relação «mãe/criança» numa dada cultura estrangeira ou em diversas culturas. A mulher no papel de mãe pode ser um tema muito estruturante nas suas vidas. Em alguns casos, estes nativos poderão dedicar-se ao mundo da «cozinha» e das suas referências culturais e estudar a relação entre a cultura e a alimentação. Ou, em alternativa, poderão desenvolver serviços de catering, de prestação de serviços de enfermagem ou de acompanhamento residencial de pessoas doentes ou idosas de origem estrangeira. Podem administrar uma escola de cuidados de saúde ou de enfermagem, de gestão hoteleira, etc..

No que se refere às ideias e crenças destas pessoas, tendem a ser conservadoras e tradicionais, recusando os «modernismos» e «os excessos» e não aderindo de forma entusiasta a novas formas de ver ou de compreender. Preferem as pedagogias tradicionais às que dão ao aprendente demasiada liberdade para aprender por si mesmo. Não gostam de desafiar a «sabedoria» tradicional. Deste modo, em relação aos  estudos superiores , os nativos com o signo Caranguejo na 9ª casa gostam de Pedagogia e Psicologia, Antropologia Cultural (especialmente a que estuda sociedades matriarcais) Línguas, História e Arqueologia, Religião, Nutrição e Culinária, Enfermagem e Cuidados Primários de Saúde, Gestão Hoteleira, Arquitetura, etc..

A visão do mundo dos nativos com Ascendente Escorpião  é permeada pelas emoções e pela ligação aos valores tradicionais e ao papel da mulher e da mãe na sociedade e no progresso da Humanidade. Têm uma ligação forte com a comunidade  e gostam de fazer atividades que unam vizinhos, membros da igreja, etc., em torno de causas  comuns que defendem o seu estilo de vida e a sua segurança, respeitando os papeis tradicionais.

Quando o  signo Caranguejo está colocado na 9 ª casa a relação com o pai é,  em geral,fácil e satisfatória o pai gosta da vida em família , é afetuoso embora possa ter um estilo mais discursivo do que aberto ao contacto físico.

Quando o signo Caranguejo está colocado na 9ª casa as crenças tendem a manter-se ao longo da vida, sendo enraizadas na infância. Podem ter origem estrangeira, mais do que exprimir as tendências da comunidade local.

Conjunção Sol Júpiter na 11ª Casa Signo Aquário

conjunção Sol Júpiter na 11ª casa signo Aquário capa

Para saber  os efeitos do Sol na 11ª casa leia o artigo aqui.

A colocação de Júpiter na 11ª casa é positiva pois permite expandir todas as redes de conexão social dos nativos permitindo a sua integração num conjunto variado de contextos sociais. É igualmente favorável à multiplicação das fontes de rendimento através de investimentos de tipo bolsista e também favorece a realização dos desejos e ambições.

Quando está colocado na 11ª casa Júpiter é muito favorável para os filhos, para ajudar o espírito empreendedor e a inteligência e para atrair um cônjuge com excelentes qualidades, otimista, talentoso, de boa família e com meios de fortuna. O nativo conta além disso com uma rede social de contactos que ajudará decisivamente a melhorar a sua situação financeira e social.

Embora esteja um pouco restringido na 11ª casa, cujo regente natural é Saturno, Júpiter dá excelentes resultados no plano social  e na aquisição de riqueza. O nativo, ao   gerir grandes instituições, ajuda a adaptação às regras bem definidas que são sempre estipuladas por Saturno. Pode exprimir a sua sabedoria usando as grandes redes de comunicação como a Internet ,fazendo conferências internacionais com um grande número de pessoas inscritas. Os irmãos mais velhos, amigos e primos são algumas das conexões que podem trazer grandes vantagens para os nativos com esta posição de Júpiter. Estes resultados não serão tão bons para os Ascendentes Touro, Balança e Capricórnio devido ao facto de Júpiter ter a regência de casas dusthana e, por isso, os resultados são menos positivos mas, ainda assim, confere reconhecimento e aumento de rendimento embora em menor escala.

A carreira dos nativos com Júpiter na 11ª casa tem sucesso e é em geral muito bem paga, com estas pessoas a subir rapidamente a posições de topo em grandes organizações.  Mantêm conexão e relações de amizade com pessoas de elevada instrução, como professores, e também figuras renomadas da vida espiritual. Beneficiam dos conhecimentos de outros na vida financeira e na carreira.

Segundo os clássicos,. Júpiter na 11ª casa indica um nativo instruído, apreciador dos valores tradicionais; pode ser religioso ou ter uma visão espiritual da vida;  pode ganhar dinheiro através dos filhos, de atividades religiosas, do ensino, etc. É perfecionista no trabalho, consciencioso no cumprimento das tarefas e respeitável. É um líder, pensa de forma independente e  tem um forte sentido de dignidade. Terá sorte para ganhar dinheiro e para realizar os seus desejos. Pode servir bem os outros. Pode carregar as responsabilidades do pai. Será inteligente, rico, terá longevidade, será atraente e talentoso, um pouco instável. Pode ser um excelente conselheiro na área financeira, instruído e feliz. Terá muitos veículos e poucos filhos.  Terá educação, riqueza, amigos duradouros. Terá boa imagem e reputação.

Para saber os efeitos da colocação do Sol no signo Aquário leia o artigo aqui.

Júpiter e Saturno têm uma relação de neutralidade em relação um ao outro. Quando Júpiter está colocado no signo estruturado de Saturno o resultado deve ser analisado a partir do estatuto funcional de Saturno e Júpiter e dos aspetos que recebem, se receberem algum, bem como da casa em que Júpiter e o signo Aquário estão colocados.

De modo geral, a colocação de Júpiter em Aquário produz bons efeitos no plano financeiro, dando ao indivíduo capacidade de obter sucesso através da criação e gestão de redes de caráter económico e financeiro e da gestão de atividades de investimento de larga escala. Nesta posição, Júpiter ajuda todas as atividades que permitem aos trabalhadores menos favorecidos obter ganhos e melhoria da sua condição económico-financeira.  Para alcançar este sucesso, deverão ser o esforço e o trabalho a desempenhar o papel central e não a luta ideológica nem filosófica.  Os nativos com Júpiter em Aquário são muitas vezes ateus ou agnósticos, acreditando apenas na ciência factual.  A lógica e a observação dos factos orienta a sua ação, não sendo inclinados para qualquer tipo de fé.

Os nativos com Júpiter em Aquário podem ter sucesso na construção de uma rede baseada no uso das tecnologias da informação e podem ser especialistas em ligar pessoas através dessas redes tecnológicas, estendendo a comunicação  para um plano em larga escala ou mesmo universal.  Estes nativos acreditam no progresso através da ciência e do desenvolvimento tecnológico. Podem expandir as suas redes de contactos pelo mundo inteiro, trocando ideias e colaborando na criação de tecnologia e regras de desenvolvimento e implementação das mesmas, tendo em conta condições de melhoria para todos.

A posição de Júpiter no signo Aquário permite obter grandes rendimentos através do desenvolvimento de conexões com um elevado número de pessoas ligadas por interesses económicos. Podem também obter ganhos através da expressão de algum tipo de imagem popular entre as massas: o nativo torna-se um «homem (mulher) do povo» e adquire um certo caráter icónico popular. Alguns podem tornar-se cientistas que trabalham para formar uma ideia (de sociedade, de ser humano, etc.,) que podem tornar-se rígidas e sem generosidade, acabando por coincidir com planos de controlo e domínio da realidade social ao serviço de  poderes autoritários.

Os nativos com Júpiter em Aquário têm excelentes capacidades de organização e de gestão de grandes redes sociais. São pensadores metódicos, cientistas com uma abordagem distanciada. Aquário dá ao indivíduo a perspetiva científica que permite conhecer antecipadamente uma certa realidade. Assim, em relação às grandes sociedades financeiras, Júpiter consegue melhorar a sua organização para as tornar mais prósperas e ricas. Nas organizações de alta escala como as sociedades, Júpiter em Aquário adora perspetivar o seu progresso e atuar no plano político para as conseguir «fazer funcionar»  da forma mais eficiente.  Promove a criação de teorias científicas sobre o desenvolvimento da sociedade que anteveem o seu desenvolvimento através do uso da ciência e da tecnologia.  Estas pessoas acreditam na capacidade do trabalho e do esfoço para mudar a sociedade. Mas os indivíduos com esta posição de Júpiter poderão enfrentar a necessidade contínua de trabalhar e desenvolver esforço para alcançar o que desejam. Assim, nesta posição, o sucesso não é fruto da sorte , é resultado de trabalho árduo.

No mapa de nativos com um cônjuge masculino , este é muitas vezes um cientista ou alguém com uma profissão na área financeira  com grandes responsabilidades em larga escala na gestão do seu trabalho. Terá em geral uma ocupação que lhe ocupará a maior parte do tempo. Deste modo, o nativo com Júpiter em Aquário terá que trabalhar bastante para fazer funcionar o casamento, cujo resultado dependerá bastante do esforço que realizar para o  manter de boa saúde.

Conjunção Sol Júpiter na  11ª Casa Signo Aquário

Quando o Sol e Júpiter estão em conjunção  na 11ª casa  ou no signo Aquário  os resultados diferem conforme a posição da conjunção na 11ª casa em  signos que não o signo Aquário ou no signo Aquário. A colocação da conjunção neste último signo gera stress adicional pois o Sol e Saturno são grandes inimigos.  O poder criador do Sol é aqui restringido pelas regras e por um contexto fixado e bem organizado dentro do qual o indivíduo terá que se mover. Mas, ao situar-se simultaneamente na 11ª casa, na qual o Sol dá excelentes resultados, produz uma natureza altamente ambiciosa e desejosa de atingir uma posição elevada no seio de uma comunidade ou organização grande. A pessoa anseia por adquirir uma posição de liderança de topo e pode trabalhar arduamente para a alcançar. Quer ter poder sobre os outros, quer ser famoso, atrair a  admiração de todos, ao mesmo tempo que cultiva uma imagem pública que pode não coincidir exatamente com o que o indivíduo realmente é.  Se Júpiter tiver  o domínio da conjunção, por ocupar um grau anterior ao do Sol no signo em que estão em conjunção, para além da imensa capacidade e sorte para ganhar dinheiro, para estabelecer redes de contacto muito úteis em termos sociais com grande número de pessoas que ajudam a alcançar a projeção social desejada, os nativos podem também obter controlo sobre meios de comunicação e de expressão de larga escala, ultrapassando as fronteiras da comunidade física em que vivem.  Estes nativos podem, em alguns casos, ser sinceros na sua convicção «científica» de que certas regras que idealizam para o progresso da sociedade são as melhores e podem querer implementá-las através da atividade política, como educadores , conselheiros, ou fazedores de opinião pública. Mas, em outros casos, não têm convicções muito fortes acerca de nada e servem-se das instituições e da organização social para alcançar os seus intentos de poder e influência, ao mesmo tempo que aumentam as fontes de rendimento e de riqueza para seu proveito.

Quando a conjunção se dá em outros signos nos quais tanto o Sol como Júpiter dão bons resultados- Caranguejo, Carneiro, Leão, Peixes e Sagitário, por ex., os nativos podem alcançar uma imensa projeção pública e adquirirem fama, popularidade, imenso sucesso mundano. Júpiter ajuda a energia solar (quando não está combusto e está colocado antes do Sol) a desenvolver uma visão filosófica e progressista da sociedade, promovendo o bem de todos, a justiça social e a educação , para além dos valores espirituais , estéticos, e da prática de muitas ações em prol dos menos favorecidos.  Os nativos terão uma personalidade altamente carismática, são atraentes, populares, muito instruídos e orientados para a ligação com a comunidade ou grandes grupos e organizações. O indivíduo poderá colocar as necessidades e interesses coletivos à frente dos seus, sendo magnânimo e generoso. Quando, porém, é o Sol que comanda a conjunção por estar num grau anterior ao de Júpiter no signo, a ambição individual é muito grande e a pessoa não está disposta a abdicar dos seus desejos e interesses pessoais em nome do coletivo. Cria uma rede de conhecimentos e contactos à qual dá a máxima importância mas usa-a para se favorecer a si própria e pode ter uma abordagem bastante manipuladora dos relacionamentos, usando-os como pontes para o controlo dos membros da comunidade. Em público mostra uma imagem irrepreensível de solidariedade e de procura de justiça e equilíbrio mas esconde muitas vezes ganância e uma sede infinita de poder e de mais riqueza.  Procura, em geral, nestes casos, ocupar uma posição política de topo para melhor concretizar o que   deseja ou subir numa grande organização para o mesmo efeito. O ego é, nestes casos, muito inflado e superconfiante, o sujeito acredita que tem direito a todos os privilégios  como se estes fossem outorgados pela Graça divina.

Glossário Astrológico- Dasha

Glossário Astrológico Dasha capa

O termo Dasha  é vulgarmente usado para significar «períodos planetários» embora também haja períodos de signos .Refere-se deste modo a diferentes sistemas, que «dividem» o tempo de vida em  períodos,   de signos (Chara dasha, Narayana Dasha) ou de planetas, sendo que o Vimsottari dasha desenvolvido pelo sábio Parashara é o mais usado e popular na Astrologia Jyotish.

O sistema vimsottari dasha divide o período da vida em períodos nos quais cada planeta tem  a regência  durante um número variável de anos, tendo por referência o número de 120 anos como tempo limite da vida humana. Neste sistema,  Ketu tem 7 anos de regência; Vénus tem 20 anos; o Sol tem a regência de 6 anos; a Lua segue-se com a regência de 10 anos;  Marte rege durante 7 anos; Rahu tem a regência de 18 anos; Júpiter segue-se com a regência de 16 anos; Saturno tem 19 anos de regência e Mercúrio tem um período de 17 anos. Para cada pessoa, o período dasha começa em algum destes períodos, dependendo da posição da Lua num certo Nakshstra ou constelação no momento do nascimento. Assim, conforme a posição da Lua num certo signo e Nakshatra , começa o ciclo dos períodos dasha ao longo da vida. Como a maioria das pessoas não vive até aos 120 anos, para muitas pessoas vários destes períodos não serão vivenciados. Uma pessoa que nasça no início do dasha de Vénus por ex., apenas mudará de período já na entrada na vida adulta, quanto tiver  20 anos de idade.

Para além deste sistema dasha, muitos astrólogos começam a utilizar um outro sistema dasha, desenvolvido por Jaimini, mestre de uma corrente astrológica independente da Jyotish, o chara dasha, que usam como complemento do vimsotari dasa, considerado o sistema principal. Considera-se  que o uso do Chara dasha permite obter pormenores mais finos dos eventos que ocorrem, por ex., nos dashas maiores como é o caso do dasha de Vénus, Saturno, etc.

De todos os  sistemas Dasha referidos na Astrologia Jyiotish, o sistema vimsottari dasha definido por Parahara é o mais conhecido. Segue o ano solar de 365 dias. Neste sistema, avalia-se os efeitos de cada planeta tendo em conta a sua força e dignidade no horóscopo, as casa que rege,  a casa onde está colocado, os yogas que forma e os aspetos que recebe. Um planeta forte e dignificado traz boa fortuna, saúde e riqueza; um planeta fraco é impotente para fazer florescer os significados que representa na vida da pessoa.

Apesar de se dizer em geral que o sistema vimsottari dasa é único da Índia, a verdade é que, embora com outro nome, o princípio geral seguido por este- considerar cada planeta como o regente de um período de tempo ,era usado na antiguidade  também pela Astrologia Helénica, como vimos no artigo recente publicado «Chronocrators».  Também nesses tempos se considerava que os efeitos dos planetas se manifestavam durante os períodos dos planetas e que ,mesmo os aspetos entre os planetas só eram realmente sentidos durante esses períodos, caso contrário eram «mudos». A mesma ideia existe na Astrologia Jyotish quando se afirma que os yogas só frutificam nos períodos- dasa e antardasa- dos planetas envolvidos, embora  muitos considerem que essa «frutificação» depende também da existência de trânsitos que a confirmem.

Entre os sistemas dasha, os que se referem aos planetas atribuem também períodos a Rahu e Ketu, mas os que consideram os signos como acontece no sistema  Chara  deixam de fora os nodos, tendo-os apenas em conta, eventualmente, como corregentes dos signos Aquário (Rahu) e Escorpião (Ketu) e, ainda assim, apenas para determinar a duração dos períodos desses signos.

Outro fator que torna os sistemas dasha tão interessantes e ricos é a sua complementação com o uso das cartas divisionais, entre as quais se destaca a navamsa e também  a drekkana, tendo-se em conta  a posição dos planetas em cada uma dessas vargas antes de prever os resultados de um dado período ,auspicioso ou nefasto.

Dos mais de quarenta sistemas dasha existentes, poucos estão hoje em uso, mas, como dissemos anteriormente, muitos astrólogos não dispensam a análise dos períodos usando não apenas o sistema vimsotarri dasha desenvolvido por Parashara mas também o sistema Chara dasha desenvolvido por Jaimini e «apurado» pelo investigador da Jyotish  K.N. Rao.

Signo Gémeos na 9º Casa do Horóscopo

signo Gémeos na 9ª Casa do Horóscopo

A 9ª casa é uma casa trikona ,relacionada com a sorte  e a fortuna, com o pai , os valores mais elevados, os estudos superiores, etc. Para ler um breve resumo dos significados da 9ª casa,  veja o artigo aqui.

Para ler um artigo mais desenvolvido sobre os significados da 9ª casa, clique aqui.

Quando o  signo Gémeos  está colocado na 9ª casa- o que acontece para o Ascendente Balança – os nativos são extremamente curiosos em relação às crenças, religião e filosofia, adorando debater sobre todos estes assuntos. Também gostam de conhecer o modo de ser e os padrões de outras culturas, podendo igualmente ser adeptos das viagens para fins culturais e incessante satisfação da sua curiosidade. Gostam de ter opinião sobre todos os assuntos espirituais mas, muitas vezes, a sua perceção é superficial e pouco  fundamentada, apoiando-se mais na sua inteligência e leituras imediatas sobre os assuntos do que em profunda reflexão.

Com o signo Gémeos na 9ª casa os nativos valorizam o mundo espiritual mas tentam torna-lo acessível a todos, ao homem comum. Ao invés de desenvolverem teorias abstratas complexas sobre o mundo, os valores, a religião e os temas metafísicos e espirituais em geral, «traduzem» esses conceitos em linguagem simples e acessível ao homem comum, o que nem sempre mantém a riqueza complexa dos conceitos e ensinamentos. Podem também escolher um conceito de uma teoria, outro conceito de outra, etc., e fazer uma «mistura» sintética que mostra a apropriação pessoal que a sua razão faz de tudo isso, encontrando um fio condutor que não existia inicialmente entre esses conceitos.  Podem fazer o mesmo com padrões culturais de culturas diferentes da sua e efetuar uma aculturação que acaba por enriquecer o seu modo de ser e ajuda a ultrapassar muitos dogmatismos presentes na cultura de origem. Este gosto por misturar influências culturais  e aplicá-las na sua própria vida  também acontece em relação à religião, filosofia e metafísica, sendo habitual que uma mistura de influências seja visível nas crenças e atitudes destas pessoas.

A tendência para relativizar os valores e as crenças faz com que estas pessoas tenham  uma «abertura» mental  considerável  e não encarem com dureza os que roubam ideias , obras ou usam estratagemas astuciosos para alcançar certos objetivos.

No campo filosófico, estes nativos privilegiam filosofias que ajudam a mente a estar alerta e exploram a curiosidade mental . Podem ,de resto ,passar períodos a viver em países estrangeiros para satisfazer a sua própria curiosidade acerca do mundo e de outras culturas. São em geral viagens curtas mas repetidas para muitas partes do mundo, se isso lhes for possível. Gostam também de contar estórias acerca do que vivem e experienciam e podem escrever crónicas de viagens ou trabalhar como jornalistas que retratam em artigos temáticos, problemas que afetam esta ou aquela área do globo, chamando a atenção para os problemas localizados em certas regiões do mundo.  Esta capacidade para comunicar de forma acessível pode granjear-lhes prestígio e excelente reputação profissional. Têm também o talento de saber como aplicar ideias globais a aspetos locais da vida quotidiana, trazendo os aspetos abstratos da informação para o plano prático da ação, o que também lhes dá aptidão política e social. Este caráter prático é uma mais- valia destas pessoas, que valorizam apenas as ideias que podem ser aplicadas no dia -a -dia e na melhoria das condições de vida da sociedade. As suas crenças alimentam-se da realidade transmitida diariamente pelos meios de informação e ,a partir desta,  podem formar esta ou aquela teoria, útil para debate com os outros em contexto social e /ou político ou jurídico.

Em situações  sociais, os nativos com o signo Gémeos na 9ª casa sabem sempre o que se passa no mundo, estando a par dos problemas e notícias principais que afetam países e culturas estrangeiros. Esta capacidade faz deles excelentes jornalistas de investigação e editores de informação, sobretudo em relação ao estrangeiro. Estas pessoas valorizam essencialmente o «aqui e agora», a vida pulsante tal como acontece nos pequenos eventos de todos os dias, desvalorizando as «grandes teorias» que não têm contacto com esta «vida a fazer-se» em que gostam de se focar. São também consistentes com aquilo em que acreditam, agindo em conformidade com tais crenças na sua vida em geral. Ao contrário do que acontece com muitas filosofias, a realidade que importa é a que todos os seres humanos experimentam no dia-a-dia da sua vida em família, no trabalho, na sociedade. São por isso mais adeptos de ciências como a sociologia ou a psicologia social do que da filosofia propriamente dita.

No que se refere aos estudos superiores  os nativos com o signo Gémeos na 9ª casa gostam de estudos sociais, culturais, línguas, das chamadas «humanidades» em geral com destaque para todas as áreas com forte ligação ao uso do discurso, da escrita, da comunicação e das línguas.

A visão do mundo destes nativos é, por um lado prática, no sentido em que é orientada para os pequenos eventos do dia-a-dia e, por outro lado, está fortemente  ligada ao uso do intelecto. Têm alguma dificuldade em exprimir emoções mas são excelentes a argumentar de forma eficaz usando a razão. Por outro lado, o gosto por se focar nos aspetos locais e nos pormenores  pode impedir ,muitas vezes , uma visão global acerca do mundo e da realidade humana.

Quando o signo Gémeos está colocado na 9 ª casa a relação com o pai é, em geral, muito aberta e com grande comunicação. O pai é em geral bastante inteligente e inicia o nativo na busca e satisfação da curiosidade acerca do mundo e habitua o nativo a confraternizar com diferentes tipos de pessoas , oriundas de camadas sociais distintas ou até de meios culturais diferentes.

Quando o signo Gémeos está colocado na 9ª casa as crenças podem mudar bastante ao longo da vida , fruto da incessante troca de comunicação com pessoas de origens sociais e culturais muito diferentes.

A paixão pela informação pode inclinar estas pessoas para a área do jornalismo, ensino, publicidade, escrita, para além das ciências sociais, das línguas, do turismo, etc.

Conjunção Sol Júpiter na 10ª casa Signo Capricórnio

conjunção sol Júpiter na 10ª Casa signo Capricórnio capa

Para saber os efeitos da colocação do Sol na 10ª casa, leia o artigo aqui.

Quando Júpiter, simbolicamente «o ministro» não o esqueçamos, está colocado na 10ª casa, uma carreira pública cheia de deveres e responsabilidades pode estar destinada ao nativo: poderá ter a seu cargo a gestão ministerial da educação, de instituições prestigiadas a nível universitário, cargos de topo na área da religião e do ensino. Pode ainda ter um cargo ministerial ou executivo importante na área da cultura. Porém, na casa de Saturno, que é conservador por natureza, Júpiter não inova, antes organiza eficientemente e com critérios humanitários e generosos- e é aqui que pode fazer a diferença. Os nativos pautam-se ainda por uma natureza realmente humanitária e caridosa.

Júpiter na 10ª casa permite alcançar uma reputação invejável, com uma imagem pública que suscita o interesse e a admiração públicas. Estes nativos são assim figuras públicas bem conhecidas e estimadas muitas vezes fora da sua comunidade ou país devido ao interesse sincero que manifestam em contribuir para o progresso, justiça e generosidade das instituições, não excluindo ninguém.

Os nativos com Júpiter na 10ª casa tendem a desenvolver  pontos de vista filosóficos no plano profissional, o que nem sempre é útil em termos práticos mas, em geral, os seus pontos de vista mais abrangentes acabam por ser frutuosos para a carreira. Transmitem sempre uma imagem de sabedoria em tudo o que dizem , mesmo que, por vezes, não saibam realmente tudo. Mas a confiança com que se apresentam em público garante-lhes a atenção deste, o que pode facilitar muito todos os que têm uma carreira em que a comunicação, a honestidade e a confiança são indispensáveis.

Normalmente os nativos com Júpiter na 10ª casa têm acesso a uma boa educação e instrução, acumulam riqueza e propriedades, incluindo casa, veículos, etc. Uma carreira pública, ou ligada de algum modo a viagens ou  com relação com o estrangeiro pode ser favorável a estas pessoas.  A sabedoria inata que conseguem transmitir inspira de facto os outros e granjeia-lhes o seu respeito e admiração e também uma elevada posição social, para além de um profundo respeito por parte dos que recebem os seus ensinamentos e inspiração. Por vezes, este caráter inclusivo e humanista pode entrar em choque com as instituições políticas, sobretudo quando estas restringem ou limitam os direitos individuais e sociais.

Aqueles que têm um cônjuge masculino podem encontrar o parceiro num ambiente público como os que foram referidos: numa instituição governamental, universitária, etc.

Segundo os clássicos. Júpiter na 10ª casa dá ao nativo a liberdade para seguir aquilo em que acredita. Dá talento para ser professor, conselheiro, estudioso dos mistérios, etc.. pode faltar-lhe humildade  devido ao engrandecimento que sente pelo seu saber e qualidades. Torna-o protetor das causas sociais. Em religião e espiritualidade tende a ser conservador. Será bem- sucedido famoso, terá boa reputação, instrução, será feliz. Pode enfrentar perigo aos 34 anos. É leal no casamento e generoso, dando riqueza e propriedade a outros.  Pode aumentar a sua riqueza através do cônjuge e da ação social. Nasce frequentemente numa família privilegiada. Tem nobreza de coração e anseia por viver num mundo puro e limpo de maldade. Gosta da companhia dos que são altamente instruídos.

Para saber os efeitos da colocação do Sol no signo Capricórnio, leia o artigo aqui.

Júpiter não está bem colocado no signo Capricórnio pois está debilitado. Aqui a habitual generosidade e abertura de Júpiter cede lugar a uma abordagem materialista da realidade, muitas vezes gera uma distorção das crenças e ideias, que se tornam fundamentalistas, rígidas, servindo ao indivíduo para legitimar os seus próprios interesses. Tanto Júpiter como Saturno são neutros um em relação ao outro mas, enquanto Saturno representa a cristalização do princípio espiritual numa forma materializada e conservada, Júpiter representa a expansão e multiplicação, necessariamente a partir da transformação das formas existentes em outras formas  mais adaptáveis a contextos novos que vão surgindo. Deste modo, a colocação no signo Capricórnio produz uma inibição da própria natureza de Júpiter, uma fixação no «aqui e agora» da expressão, que resiste à mudança e, por isso, deixa de haver «futuro» ou mudança temporal, que é a natureza de Júpiter. Gera-se um dualismo na natureza do planeta que origina hipocrisia ou uma forma de ser não autêntica que se exprime nas áreas representadas pela casa onde se encontra. Em suma, a pessoa «prega» uma coisa e acredita noutra. Porém, aos olhos do público, o nativo pode aparecer como um sábio genuíno e ter uma reputação de grande respeitabilidade pois adota formas subtis de manipulação e cultiva uma imagem de irrepreensibilidade perante os outros, revelando apenas a sua natureza no plano privado. Quando  está no signo Capricórnio, Júpiter é levado a creditar que a verdadeira sabedoria é a que permite alcançar os privilégios sociais, uma melhor posição social, etc.. Sendo Júpiter uma energia primeiramente espiritual, aqui inverte a sua expressão num plano exclusivamente material e manipulador em que os jogos sociais para superar este ou aquele são o caminho para se elevar em termos sociais. Adquirir poder, influência, capacidade de controlar outros, torna-se o objetivo fundamental.

Saturno e Capricórnio valorizam maximamente a hierarquia social e as suas regras e, neste signo, Júpiter subordina os seus significados de sabedoria e espiritualidade ao serviço dessa hierarquia social.  Em Capricórnio, Júpiter tentará encontrar e possuir objetos que lhe garantam uma posição social de prestígio, sejam estes um certo tipo de casa, carro, uma certa profissão, dar-se com certos grupos de pessoas, etc.. Os nativos tornam-se extremamente ambiciosos e exteriorizam completamente o princípio expansivo de Júpiter que, em vez de procurar alcançar maior perfeição e conhecimento espiritual, se vira para a aquisição de bens, riqueza, relações sociais que lhe garantam a máxima posição no ranking social.

Os nativos com Júpiter em Capricórnio, apesar de terem uma visão mais pragmática da vida, não têm a verdadeira «fé» típica de Júpiter, pois falta-lhes  o sentimento de ligação interna à verdade essencial, tendo assim dificuldade em acreditar totalmente em alguma coisa e têm também algum do pessimismo natural de Capricórnio. Isto é em grande parte fruto da substituição da verdadeira sabedoria interior pelas regras impessoais e distantes do humano  que é típica de Saturno. Assim, a inspiração de Júpiter é substituída pela organização externa que regulamenta e hierarquiza e, se isto dá á pessoa uma excelente capacidade para gerir organizações de larga escala, também lhe retira a confiança de quem adere intimamente ao que faz no plano externo. O nativo torna-se cauteloso, prudente e atento aos pormenores externos, acabando por considerar as regras como um fim em si mesmo quando estas deviam permanecer como simples meios. Isto pode, no entanto, conseguir-lhes elevados cargos e um salário de topo em qualquer organização. Estas pessoas acreditam fielmente que as organizações do estado e da sociedade são a única forma de alcançar mais justiça e bem- estar social.

No plano da religião, o nativo pratica os rituais mas esqueceu há muito o seu significado e estes não têm qualquer impacto real no plano interno. Também não sente verdadeira generosidade nem  compaixão. Pode fazer uma interpretação muito própria das leis, distorcendo-as de acordo com as próprias crenças, atuando de forma dogmática e fundamentalista. Por vezes, quando a vida lhes traz experiências mais duras, estes nativos são capazes de reverter a visão distorcida de Júpiter e aprendem a ter fé num conhecimento que ultrapassa os limites do estado e das instituições.

Quando há outros planetas fracos enquanto Júpiter está colocado em Capricórnio, os nativos podem viver de subsídios e ajuda do estado e da sociedade, não contribuindo ativamente para a sua organização e manutenção.

No plano físico, a debilitação de Júpiter em Capricórnio produz muitas vezes problemas nos joelhos, sobretudo durante os períodos (dasa /antarasa) do planeta.

Numa natividade em que o cônjuge é masculino, Júpiter em Capricórnio pode indicar um parceiro materialista, manipulador, apenas interessado em subir socialmente, ou um burocrata, alguém que coloca toda a sua fé nas organizações e regras sociais. Em situações extremas, o cônjuge pode ter falta de caráter ou deixa de cuidar das necessidades do nativo ou tem problemas de adição de álcool, drogas, etc. e isto pode ser origem de divórcio. Embora possa ser útil no alcançar de uma elevada posição social, no plano mais privado dos relacionamentos e da expressão, há uma dificuldade inerente à natureza da pessoa que lhe dá duplicidade na forma como interage, com egoísmo e hipocrisia.

Conjunção Sol Júpiter na 10ª Casa Signo Capricórnio

Quando o Sol e Júpiter estão em conjunção na 10ª casa ou no signo Capricórnio, os resultados podem ser bem diferentes, se a conjunção se der na 10ª casa mas não no signo Capricórnio no qual Júpiter está debilitado.  O Sol é muito forte na 10ª casa, onde obtém Dik Bala ou força direcional. Se o signo Capricórnio porém, também ocupa a 10ª casa, o Sol está menos confortável e o seu poder criativo também sofre, embora esteja bastante mais forte do que Júpiter, que fica debilitado neste signo. Assim, na 10ª casa e no signo Capricórnio, o Sol assume o controlo da conjunção e pode tornar-se um líder muito carismático, tanto no plano político como religioso ou espiritual e usa as qualidades de Júpiter para cultivar uma imagem de honestidade e sinceridade, embora isso possa ser uma mera fachada para os seus interesses e ambição. O Ego será bastante grande, orgulhoso e vaidoso dos seus próprios talentos e o indivíduo poderá ocupar altos cargos na política, na administração estatal, numa grande empresa ou organização. A ambição destes nativos pode não ter limites e as sua ambições relacionam-se com a conquista do poder, riqueza e influência. Estas pessoas podem acreditar que são imparáveis e invencíveis e estão convictas de que alcançarão os objetivos pretendidos sem que ninguém possa fazer-lhes frente. Podem ser muito materialistas e basear toda a sua ação na conquista de objetivos materiais. Júpiter debilitado no signo Capricórnio não permite que o Sol revele a sua energia mais elevada, tornando a pessoa sedenta de poder e de riqueza, de todos os privilégios concedidos no mundo material. Mas permite ao nativo aparecer com uma imagem de suavidade e de sabedoria que mascara os seus reais sentimentos e interesses, tornando mais eficaz a sua ação para obter o que pretende.

Quando a conjunção Sol Júpiter ocorre na 10ª casa mas não no signo de Capricórnio mas no signo Balança no qual o Sol fica debilitado, o indivíduo continua a ser altamente ambicioso e a acreditar que merece todos os privilégios e benesses deste mundo terreno mas vive com a frustração de falhar no seus intentos materialistas. Neste caso, se Júpiter ocupar um grau inferior ao do Sol no signo, poderá exercer influência sobre o Sol e minorar o rancor e o ressentimento em relação aos aspetos materiais e ao poder que se deseja e não  alcança, tornando o indivíduo menos fixado nesses aspetos da vida e permitindo-lhe descobrir outro sentido mais espiritual para a sua vida.

Quando a conjunção ocorre na 10ª casa e num signo em que tanto o Sol como Júpiter estão fortes, o nativo pode alcançar grande riqueza, renome e excelente reputação; pode ter uma carreira de topo, seja na área da política ou do ensino ou da liderança espiritual/religiosa e receber muitas honras e admiração por parte dos outros. Pode tornar-se uma figura pública conhecida por todos e respeitada por todos, um atleta, cientista, professor ou investigador; pode ser um médico ou cirurgião de sucesso, etc.. Na área profissional que escolher, será inovador, extraordinariamente competente. Pode também, é claro, desenvolver um Ego enorme e  ter orgulho e auto confiança em  excesso . Mas o seu enorme carisma faz dele uma figura instantânea de autoridade que todos seguem de imediato como um guia que sabe melhor do que os outros qual é a verdade. Estes nativos quererão guiar e controlar um grande número de pessoas e isso ser-lhes –á realmente fácil de alcançar. Para o nativo comum, esta conjunção faz com que veja a profissão e o cargo que desempenha como o centro da sua vida e não descanse enquanto não alcançar uma posição de liderança. Vê-se como alguém predestinado para guiar outros e decidir o que é melhor para todos.  Porém, isto não significa que o indivíduo não enfrente oposição, especialmente se receber o aspeto de Saturno, regente natural da 10ªcasa . Quando em conjunção com Júpiter, no entanto, o Sol terá a ajuda deste para apresentar razões e saber que justifiquem naturalmente a sua liderança.  O indivíduo terá, no entanto, sempre a vitória em relação a todas as oposições. Estas pessoas vivem para a vida pública e para a carreira, seja esta qual for.  Esta conjunção também ajuda uma boa relação com o pai e indica um pai sábio, bem- sucedido e com excelente status que pode guiar e ajudar o nativo.

 

Glossário Astrológico- Chronocrators

Chronocrators capa

O termo Chronocrator é um  termo que não é específico da Astrologia Jyotish mas pertence à história fundamental do saber astrológico que vem do passado. O termo é de origem grega e foi usado na Astrologia Grega para designar a ativação de um planeta no horóscopo por um certo período de tempo.  O «chronocrator» era o «regente temporal» num certo período, o «marcador do tempo». Ora, nesses tempos antigos, os ciclos dos planetas mais lentos conhecidos, Júpiter- 12 anos para transitar à volta do Zodíaco- e Saturno- 30 anos para fazer a mesma órbita- eram os grandes marcadores dos «ciclos do tempo».

Estes ciclos temporais tinham início quando Júpiter entrava em conjunção com   Saturno e os menores ocorriam de 20 em 20 anos. A cada 198 anos e 265 dias, a conjunção entre estes dois planetas ocorria  num signo do mesmo elemento (Água, Terra, Ar ou Fogo), e, num período que variava entre 800 e 960 anos, a conjunção ocorria no signo Sagitário, dando início a um período extraordinário na História. Esta conjunção terá ocorrido no início da era cristã, no séc. VIII e novamente no séc. XVI, indicando processos de mudança que foram muito significativos na história da civilização.

Assim, Júpiter e Saturno são reconhecidos como os Chronocrators.

Cada grande ciclo subdivide-se em vários subciclos de relação entre os chronocrators. Segundo os autores astrológicos ,desde a antiguidade grega até a autores que ficaram na história da ciência como Tycho Brahe, são as seguintes as tendências desses subciclos:

Os ciclos de 20 anos são considerados «mínimos» ou especiais; os ciclos de aproximadamente  200 anos são designados de «médios» ou trígonos; os ciclos de  aproximadamente 800 anos são designados «máximos» ou climacteria . Em todos estes ciclos há um total de 10 conjunções em signos de Terra, 10 conjunções em signos de Ar ,10 conjunções em signos de Fogo e 10 conjunções em signos de Água de Júpiter e Saturno.

Os antigos, incluindo os hebreus, contavam o tempo tendo por referência os chronocrators e os seus ciclos.

Mas este ciclo dos grandes chronocrators que marcam a história da humanidade (diz-se por ex., que a muito referida «Estrela de Belém» que marcou o nascimento de Jesus terá sido uma conjunção entre Júpiter e Saturno) há outros chronocrators menores, mas que  eram considerados igualmente fundamentais para a vida individual e o seu destino. Neste contexto, admitido desde os antigos gregos, qualquer planeta tinha o estatuto de chronocrator dominando os eventos do destino individual por um certo período.  Este conceito também pode ser visto com toda a clareza na Astrologia Jyotish por ex., no sistema vimsottari dasa.

Segundo os antigos, os trânsitos dos planetas só tinham efeitos manifestos quando o planeta em causa era o chronocrator desse período. De outro modo, o seu trânsito seria «mudo», sem efeitos assinaláveis.  Todos os planetas tinham o seu período em que «prestavam testemunho» na vida do nativo. Estes períodos eram contados em «anos egípcios» (360 dias divididos por 3 estações de 120 dias cada + um período extra de 5 dias que não fazia parte do ano propriamente dito) e derivavam dos círculos menores dos planetas como segue: o Sol tinha 19 anos, a Lua tinha um período de 25 anos; Hermes (Mercúrio) tinha um período de 20 anos, Afrodite (Vénus) tinha um período e 8 anos, Ares (Marte) tinha um período de 15 anos; Zeus (Júpiter) tinha um período de 12 anos, Chronos (Saturno) tinha um período de 30 anos. Estes ciclos repetem-se de acordo com o tempo necessário para que os planetas voltem a estar no mesmo grau em relação ao Sol.

Nestes cálculos, o ano era considerado como tendo 360 dias, a noite tinha 12 horas e o dia outras 12 horas;  tais cálculos eram essencialmente simbólicos, não se baseando no plano da realidade concreta mas no do ideal ou arquetípico.

Os períodos anuais dos planetas eram considerados os mais importantes , mas eram também subdivididos em 1/12 do período total, correspondendo a um subperíodo  em cada período total do planeta, com base no movimento diário do Sol e da Lua (o movimento desta é 12x o do Sol) . Com base na interação entre o Sol e a Lua eram encontradas a «parte da fortuna» e a «parte do espírito»). A parte da fortuna era o significador da saúde,  da felicidade física, da área financeira enquanto a parte do espírito era vista para a carreira, as ocupações do nativo, as previsões futuras.

Os subperíodos indicavam os eventos específicos enquanto o período geral indicava os aspetos e tendências gerais do período (em conjunto com a posição do planeta regente do período). A parte da fortuna marcava o regente do primeiro período. Se esta estivesse por ex., no signo Escorpião, o primeiro «marcador temporal» seria  Marte  durante os primeiros 15 anos. A seguir o período seria o de Júpiter durante os 12  anos seguintes. A ordem dos subperíodos de cada planeta segue a mesma regra: o primeiro subperíodo do período do Sol é o sol e a duração de cada subperíodo obtém-se usando o mesmo número (de anos atribuídos a cada planeta) mas transformados em meses. por ex., o sol tem um período de 19 anos por isso, os seus subperíodos em qualquer período de outros planetas dura 19 meses; mas o de Vénus, cujo período dura 8 anos, dura 8 meses quando se entra no subperíodo de Vénus em qualquer período, etc. o último período terá apenas o tempo restante do período geral podendo ter diferente duração.

Para interpretar os significados gerais do tempo, é analisado o signo em que se encontra o planeta que «marca o tempo» a partir da posição da roda da fortuna no horóscopo, para ver se esta está colocada numa casa angular, sucedente ou cadente. Seguidamente, analisa-se a posição do planeta chronocrator para ver se este está em aspeto com essa casa. A análise da força do planeta regente do «tempo» determina se o período terá algo de significativo a dizer ou não. Normalmente, segundo estes autores, se o planeta que marca o tempo estiver numa casa «cadente» nada de relevante acontecerá a menos que esteja algum planeta maléfico nessa casa. (os planetas maléficos eram vistos como mais poderosos do que os benéficos.) Entretanto, esclarecemos que os «aspetos» de que se trata aqui não são os mesmos seguidos pela Astrologia Jyotish pelo que, aqueles que quiserem aprofundar esta matéria, deverão pesquisar em «astrologia helenística» o referido método para calcular os aspetos.

Signo Touro na 9ª Casa do Horóscopo

signo Touro na 9ª casa do horóscopo

A 9ª casa é uma casa trikona  que está relacionada com a sorte  e a fortuna, com o pai , os valores mais elevados, os estudos superiores, etc. Para ler um breve resumo dos significados da 9ª casa,  veja o artigo aqui.

Para ler um artigo mais desenvolvido sobre os significados da 9ª casa, clique aqui.

Quando o signo Touro está colocado na 9ª casa- o que acontece para o Ascendente Virgem – os nativos são aplicados e estudiosos, trabalhando bastante para alcançar um diploma académico. Têm, no entanto, uma abordagem prática  dos princípios, valores e conhecimento superior, podendo dedicar-se a uma carreira em que traduzem ensinamentos de caráter abstrato e teórico para formas mais acessíveis ao comum ser humano, ou mais aplicáveis na vida terrena.

Com o signo Touro na 9ª casa os nativos privilegiam o plano sensorial e terreno, não acreditando em realidades que  estejam para além do alcance dos sentidos físicos. As suas crenças são práticas, destinando-se a facilitar a felicidade humana e a afastar o ser humano das experiências que, comprovadamente, trazem dor e infelicidade. Preferem crenças simples e práticas em vez de ideias complicadas acerca da Natureza humana e dos princípios  que esta deve seguir. A procura de conhecimento não obedece à ideia de aperfeiçoar a alma mas está antes enraizada na convicção de que o corpo deve ser mantido saudável e os valores máximos a seguir devem ter em conta a vida humana como  tendo necessidades materiais que a sociedade deve garantir para que as pessoas  possam ser felizes. Isso consegue-se através do trabalho e do desenvolvimento de competências e conhecimentos que permitem amealhar recursos para que não falte abrigo nem  conforto e para que todos possam sentir algum prazer com a vida que têm, como uma boa refeição, além de todos os recursos materiais que permitem o bem-estar do corpo.

No campo filosófico estes nativos privilegiam as teorias acerca da Natureza e de caráter cientifico, tendendo a dar menos crédito à metafísica e à religião, a menos que estas se coloquem numa perspetiva prática, enraizando-se nas regras da sociedade ,permitam a ordem e a coesão dos seus membros e deem mais ênfase à conquista de boas condições de vida do que às recompensas após a morte; preferem teorias que enalteçam a colocação do homem como um ser natural no conjunto da Natureza em vez de se focarem na alma ou simples dimensão «espiritual» ou que falam das «punições» que a alma sofre quando não obedece a certos princípios religiosos ou metafísicos. Para estas pessoas, a «Metafísica» é uma invenção, acreditam que  apenas existe a «Física». Podem, de resto, ser excelentes investigadores acerca do mundo natural, gostando de  provar teorias através do uso do método experimental.

No que se refere aos estudos superiores,  os nativos com o signo Touro na 9ª casa gostam de áreas associadas à arte, à aprendizagem dos usos da voz, línguas, ciências da nutrição, artes culinárias, apreciação de vinhos, design de joias e de moda, criação de perfumes, etc. no plano religioso tendem a rejeitar os princípios baseados na punição e castigo e apreciam princípios que possam aplicar-se à vida concreta de modo a tornar mais felizes os indivíduos e as sociedades. A finalidade dos valores e princípios religiosos e filosóficos deve subordinar-se , na perspetiva destes nativos, a garantir a felicidade individual e o seu bem estar. O ser humano nasceu para ser feliz e tudo o que contrarie esta posição de partida é rejeitado.

A visão que estas pessoas têm da vida é simples e pouco complicada e rejeita todos os valores ou teorias que assentam na ideia da necessidade de austeridade – moral ou outra- para o ser humano viver a sua vida. A sua filosofia é hedonista e inclui o direito a alcançar prazer na vida diária  de acordo com as suas expetativas e interesses. Cada ser humano tem o direito de escolher se quer viver uma vida simples saboreando o que a vida pode oferecer em termos sensuais e sensoriais ou se prefere viver subordinado ao dever ou a outros princípios ditos morais rejeitando o seu modo natural de ser. Assim estes nativos assumem que a natureza humana é naturalmente egoísta e centrada nos seus próprios interesses e desejos e que isso é perfeitamente legítimo desde que respeitem e não interfiram com os  interesses dos outros, sempre que isso é possível.

Por outro lado, estas pessoas são também bastante teimosas e obstinadas em relação aos seus pontos de vista e podem ser um pouco dogmáticas na defesa da sua cultura, tendo dificuldade em aceitar valores de atitudes de culturas diferentes. O mesmo pode suceder em relação à religião dominante da cultura da sua sociedade.

Quando o signo Touro está colocado na 9 ª casa a relação com o pai tende a ser tranquila e conservadora, garantindo valores de estabilidade, segurança financeira e condições de conforto na vida familiar. Os problemas podem aparecer, no entanto, se o nativo desafiar as crenças e valores do pai, que é pouco flexível para aceitar posições diferentes da sua na família.

Quando o signo Touro está colocado na 9ª cas os nativos podem dedicar-se à publicação de livros e/ou revistas sobre temas religiosos e filosóficos, sobre alimentação, culinária, vinhos, moda, joias, colecionismo, História e cultura, life style, etc.

Sendo Vénus o regente da 9ª casa, é possível, quando Touro ocupa a 9ª casa, que o parceiro de vida seja de origem estrangeira, de outra cultura ou religião ou tenha algum tipo de ligação com países estrangeiros.

Com o signo Touro na 9ª casa os nativos tendem a manter as crenças e valores estáveis ao longo da vida, sem grandes mudanças.