Ciclos de Tempo dos Trânsitos

ciclos de tempo dos trânsitos

Neste artigo falamos dos ciclos de tempo dos trânsitos dos planetas.

Cada planeta  move-se pelo Zodíaco de acordo com uma velocidade média que determina ciclos temporais próprios. Assim, quando um planeta termina uma volta no Zodíaco, repete   novamente um certo tipo de influência em cada um dos pontos do horóscopo.

De acordo com o movimento mais lento ou mais rápido dos planetas, assim, essa «repetição» da sua influência pode ser mais ou menos frequente, mais ou menos intensa e demorada ou , pelo contrário, mais rápida e efémera.

O Sol é o que  repete de forma mais uniforme em cada mês de cada ano os seus efeitos, pois as diferenças de posição de ano para ano não ultrapassam alguns graus ou minutos em relação  ao mesmo mês do ano anterior. Move-se cerca de 1º por dia ao longo de todo o ano e, tal como a Lua, não tem movimento retrógrado.

 A Lua move-se de forma um pouco mais rápida do que o Sol que leva cerca de 30 dias a orbitar o Zodíaco. A Lua leva 27.32 dias para orbitar o Sol.  As influências do Sol e da Lua  em trânsito não são muito fortes, pois só duram algumas horas ou  um dia.  Estes efeitos são mais fortes quando o Sol e a Lua transitam pelo mesmo grau e signo da sua posição de nascimento, altura em que  ativam os seus significados natais.

Mercúrio é o planeta mais rápido, nunca se afastando muito do Sol. Leva cerca de 88 dias para completar a órbita ao longo do Sol.  Deste modo, dá mais de 4 voltas em torno do Sol por ano, repetindo em cada uma delas influências semelhantes , modificadas no entanto pela interação que outros planetas estabelecem com ele.  Move-se cerca de 1º e 20’ por dia, 51’ quando está retrógrado.

As suas influências e efeitos são também ligeiras, fazendo-se sentir mais aprofundadamente quando está retrógrado, situação em que os seus efeitos podem durar mais de uma semana num certo ponto do horóscopo, podendo repetir-se duas ou mesmo três vezes essa passagem.

Vénus é o planeta que se segue em termos de rapidez de movimento: leva cerca de 224 dias e meio para completar uma órbita à volta do Sol. Move-se  com rapidez que varia entre 1º e 2º 30’ por dia.  Isto significa que passa duas vezes pelo mesmo ponto do horóscopo em alguns casos, pois repete a sua passagem por alguns signos. Por ter um movimento mais lento, a sua influência é mais forte, embora haja ouros fatores , além do movimento do planeta, a influenciar a sua força.

Quando está retrógrado a sua influência é mais forte  e pode afetar um certo ponto do horóscopo durante vários meses sendo esses efeitos mais fortes quando repete a conjunção com os pontos sensíveis do horóscopo, o que pode acontecer também 2 ou 3 vezes.

Com Marte fecha-se o círculo dos chamados planetas «rápidos». Marte é, no entanto, bastante mais lento do que os outros assim designados. Leva cerca de 22 meses para completar uma órbita em torno do Sol, movendo-se cerca de 30´por dia-  Deste modo, de dois em dois anos, Marte repete a sua influência sobre cada um dos pontos do horóscopo, embora isso não signifique que o nativo viverá exatamente as mesmas experiências porque é preciso contar com a  interação com os restantes planetas em trânsito, o período dasa e antardasa, etc..

Tal como os restantes planetas, também fica retrógrado podendo ficar bastantes meses no mesmo signo e repetir os seus significados ao passar mais do que uma vez sobre os pontos sensíveis do horóscopo.

Júpiter é o primeiro dos chamados «planetas lentos». Demora 12 anos a orbitar o Sol, percorrendo cerca de um signo por ano numa velocidade de 3’ a 5’ por dia.

De doze em doze anos, Júpiter regressa à posição natal, fechando um ciclo de experiências, e iniciando um novo ciclo em que os significados no horóscopo recebem uma nova oportunidade de se manifestar na vida dos nativos num ciclo diferente de vida e de experiências que poderão ser expandidas no destino individual.

Também fica diversas vezes retrógrado, voltando a passar, uma e outra vez sobre determinado ponto sensível e afetando, por isso, essa área de vida durante muitas semanas.

Saturno é o planeta mais lento entre os que são reconhecidos pela Astrologia Jyotish: leva 29 anos e meio a orbitar o Sol,  movendo-se cerca de 1 a 3’ por dia. Estes ciclos de quase 30 anos são considerados muito importantes, são períodos de libertação e de cura de «karma» na existência em cada uma das partes da existência.

Dentro deste grande ciclo de Saturno reconhecem-se vários subciclos importantes, como os ciclos de 7 anos e meio ou Sade Sati , ou o trânsito de Saturno pela 4ª ou 8ª casa do horóscopo. Leva cerca de dois anos e meio a transitar por um signo, ficando também retrógrado muitas vezes e fazendo sentir a sua influência num dado ponto do horóscopo por semanas ou meses.

Os nodos- Rahu e Ketu– levam cerca de 18 anos a atravessar o Zodíaco, não sendo planetas com massa mas pontos que intercetam a  órbita do Sol e da Lua, estando também muito ligados com a distribuição do karma e a sua libertação ao longo da vida.

Têm um movimento sempre retrógrado, embora em alguns momentos fiquem estacionários durante algum tempo, sendo muito forte a sua influência nesses breves períodos.  Demoram cerca de ano e meio a transitar por um signo.

De 9 em 9 anos, os nodos invertem as suas posições de nascimento e esse trânsito é muito significativo  pois indica o regresso cíclico das tendências e karma passados, representados por Ketu, numa experiência que permite viver novamente no presente as competências , padrões e modos de ser desenvolvidos no passado acompanhados da oportunidade de lhes dar novo propósito no presente e no futuro desta existência.

Cada um dos planetas e luminárias (Sol e Lua) repetem assim, ciclicamente, no destino individual, a atualização dos seus significados, uns de forma mais frequente, como acontece com o Sol e a Lua e os planetas  de movimento rápido e outros de forma menos frequente, como Júpiter, Rahu/ Ketu e Saturno.

Saturno repete,  em geral, 3 vezes o seu  ciclo, ativando os seus significados no mapa natal; Júpiter repete os seus ciclos entre 7 e 8 vezes; Rahu e Ketu ,por sua vez, repetem em média 5 vezes o seu ciclo numa existência. Estes são dados têm em conta uma existência de 90 anos, podendo variar conforme cada caso individual.

Mas o que estes ciclos de tempo nos dizem é que a existência individual parece obedecer a um «script» em que determinado tipo de «lições»  são dadas a experimentar diversas vezes, sendo que, de cada vez que um  planeta regressa à posição natal ou passa por determinado ponto do horóscopo, não se trata de uma mera repetição pois, em cada momento, as influências externas e internas do indivíduo, bem como o próprio ciclo biológico da sua vida, o desenvolvimento da sua consciência e mesmo as suas necessidades são diferentes e os eventos que são trazidos para a vida de cada um não têm o mesmo impacto nem significado que num ciclo anterior.

Assim, cada pessoa pode aprender diferentes perspetivas relacionadas com o mesmo padrão de experiência sempre que um planeta repete o seu ciclo de tempo. Para que a lição seja bem aprendida? Talvez, ou talvez para que cada um esgote todo o complexo energético que lhe está associado, para poder prosseguir livre de «dívidas», para uma fase posterior de desenvolvimento. Isto é particularmente verdade no caso dos planetas lentos.

Também Poderá Gostar de Ler

Leave a Comment