Signo Carneiro na 9ª Casa do Horóscopo

signo Carneiro na 9ª Casa do horóscopo capa

Iniciamos hoje a descrição dos efeitos gerais da colocação dos signos na 9ª casa do horóscopo.

A 9ª Casa significa o pai, o precetor ou guru, a aprendizagem espiritual, as  inclinações espirituais , a  intuição, a virtude, a  caridade e o  dever, o  destino com base nas vidas passadas e a felicidade daí resultante (destino feliz), a meditação, viagens ao estrangeiro e viagens de longa distância de curta duração, vida em países estrangeiros, educação no estrangeiro, sorte, fortuna geral, ganhos súbitos e inesperados, religião, filosofia, lei, medicina, remédios, ações virtuosas, tudo o que é auspicioso, devoção; indica a  natureza do pai,  a educação superior, o modo como a religião ou a filosofia afetam a  nossa abordagem da vida , circunstâncias de sorte que ocorrem devido a ações realizadas no passado.

Partes do corpo representadas pela 9ª casa: quadris, coxas, perna esquerda, ossos da coxa, medula óssea, articulações das ancas e sistema arterial.

Planetas Karakas (significadores gerais) da 9ª casa: Sol (pai), Júpiter (conhecimento, boa sorte, religião). A fraqueza e/ou aflição da 9ª casa ou do seu regente pode produzir anemia, doenças do sangue, febres altas, diabetes, reumatismo, problemas nas ancas e nas coxas. Os planetas Júpiter e Sol fortes no horóscopo ajudam a proteger estas áreas de vida.

Para ler um artigo mais desenvolvido sobre os significados da 9ª casa, clique aqui.

Quando o  signo Carneiro está colocado na 9ª casa- o que acontece para o Ascendente Leão – os nativos adoram viajar de forma aventureira, para fazer descobertas ou simplesmente satisfazerem o seu gosto pela aventura.  Preferem viajar sozinhos ou, pelo menos, são eles que traçam o percurso a fazer sem terem muito em conta a opinião dos outros. Gostam de decidir na hora, de forma por vezes impulsiva mas sempre espontânea, que vão fazer uma viagem ou iniciar alguma aventura.

Com o signo Carneiro na 9ª casa os nativos são muito independentes em relação às ideias e crenças que perfilham. Recusam a autoridade no plano da  religião e podem mesmo considerar que é legítimo combater agressivamente certo tipo de ideias que considerem colocar em perigo a sua liberdade. Podem combater as ideias religiosas dominantes usando todo o tipo de meios:  nos media, escrevendo artigos de opinião acutilantes, escrevendo livros, fazendo discursos etc., para defender o seu direito pessoal a ter ideias diferentes das que são impostas pela tradição e classes dominantes.  Podem professar o ateísmo pois centram o seu interesse basicamente em si mesmos e não na comunidade e colocam-se a si próprios em primeiro lugar não aceitando que outras instituições, não importa a sua antiguidade, lhes ditem as regras sobre como devem agir e em que devem acreditar.

No campo filosófico, com o qual tendem a identificar-se, pois permite-lhes pensar na 1º pessoa e defender pontos de vista e opiniões que são apenas suas, estes nativos defendem opiniões que são muito próprias e que acreditam serem as mais corretas. São argumentativos e apreciam uma boa discussão, para se observarem a si mesmos a vencer a disputa. Quando dialogam com outros, mesmo sobre ideias filosóficas ,estas pessoas estão sempre a competir pelo lugar no pódio. Não aceitam que todas as opiniões são válidas precisam de mostrar que as suas são as melhores e mais verdadeiras do que as dos outros. E esta característica traz algo curioso : é que, ao mesmo tempo que proclamam o direito de renegar a autoridade e a tradição, estes nativos pretendem tornar-se eles próprios na única autoridade e começar uma nova «tradição», com outros a seguirem-nos. Exprimir-se em relação às suas crenças e valores é, para estas pessoas, entrar numa competição para vencerem, o que indica um forte dogmatismo da sua parte: «as ideias dos outros não devem ser seguidas a não ser que sejam as minhas». Gostam de argumentar sobre tudo, desde a religião e a filosofia à política, achando que são peritos em todas essas questões.

No que se refere aos estudos superiores  os nativos com o signo Carneiro na 9ª casa gostam de inovar e de serem eles próprios a criar o seu percurso de estudos. Criam o seu próprio currículo defendendo a sua independência a todo o custo. Alguns podem ser pioneiros de alguma forma na criação de escolas com novos métodos e conceitos sobre a aprendizagem. Mas, mesmo assim, não deixam de competir, mantendo sempre o desejo de sobressair em relação aos outros. Mantêm-se independentes em relação aos professores, encontrando sentido para o que fazem nesta autoafirmação. Alguns podem envolver-se em lutas por ideias e crenças, usando tanto a «pena» para escrever como a espada. Podem acreditar que a violência se justifica para defender as ideias em que se acredita;  podem lutar contra a religião dominante  ou contra a ideologia política dominante. Os menos politizados podem identificar-se com figuras do desporto que tendem a considerar como ídolos.

Estes nativos tendem a exprimir a sua opinião de forma independente e «sem papas na língua» e, se trabalharem na área do jornalismo manifestam  um estilo agressivo nas entrevistas e expressão das ideias e notícias. Viajam constantemente e, por isso, contactam com pessoas das mais variadas culturas, aprendendo a tirar partido desse conhecimento quando exprimem as suas próprias ideias, de modo a gerar, através do estilo assertivo, uma impressão de autoridade.

Quando o signo Carneiro está colocado na 9 ª casa a relação com o pai pode ser agressiva. o pai pode ser de tal modo centrado em si mesmo e nos próprios interesses que não tenta verdadeiramente dialogar com o nativo e muito menos compreendê-lo: pode simplesmente impor a sua própria opinião e o nativo posteriormente tende a copiar esse modelo não permitindo que nenhum mestre, figura de autoridade ou professor lhe dite em que deve acreditar.

Deixe um comentário