Como Ler as Divisionais- Métodos de Análise

Como Ler as Divisionais- Métodos de Análise

Como ler as cartas divisionais é um assunto  que envolve diversas opiniões  e abordagens. Independentemente do mérito que todas têm, há alguns princípios básicos que podem ser testados pelos estudantes de astrologia que podem, desse modo comprovar a sua eficácia.

Antes de fazermos uma breve análise das cartas divisionais, deixamos aos leitores mais um contributo para que possam estudar e experimentar o seu uso.  Como sempre em que o assunto é as cartas divisionais e o seu valor como instrumento de previsão e análise das promessa natais, lembramos que, quanto maior é a divisão, mais exigente é o rigor em relação à hora de nascimento. Nas divisões mais altas, 1 ou 2 minutos de diferença em relação à hora certa do nascimento, são suficientes para fazer da análise uma pura fantasia.

Dito isto,  as cartas divisionais têm um lugar importante na prática da astrologia Jyotish. Alguns propõem usar as cartas divisionais de dois modos- através de uma «análise estática» que serve para melhorar a compreensão das «promessas natais» no instante do nascimento (e não para fazer previsões sobre como cada uma dessas promessas se desenvolverá no tempo); e uma «análise dinâmica», isto é, usada para prever determinados eventos no tempo, em conjunto com o período dasa  ativo nesse período. Deste modo, uma análise dinâmica foca-se numa determinada  carta divisional  relacionada com uma área de vida a analisar (por ex., a D-10, se queremos analisar as perspetivas de emprego num dado período e sucesso profissional)  onde se analisa em que  casa está colocado o planeta que rege o período dasa  ativo.

Para analisar estes dois fatores, há algumas aspetos a considerar:

Análise Estática das Áreas de Vida Usando as Cartas divisionais

Nas cartas divisionais que se referem a pessoas- como a D-9 ao cônjuge; a D- 7 ao filho ; a D-3 que se refere aos irmãos; a D- 12    que se refere aos pais, não é positivo ter o  planeta significador dessas pessoas (Karaka) na 1ª casa dessas cartas divisionais. Assim, ter Vénus na 1ª casa da D-9; Júpiter na 1ª casa da D-7: Marte (irmãos mais novos) ou Júpiter (irmãos mais velhos)  na 1ª casa da D-3; o Sol  (pai) ou a Lua ( mãe) na 1ª casa da D-12. Quando isso acontece, isso indica dificuldades para a pessoa significada. Estas dificuldades serão mais sentidas se o planeta karaka estiver fraco. Serão também mais sentidas durante o período dasa do planeta envolvido. Tais dificuldades far-se-ão sentir na vida da pessoa significada pelo planeta karaka.

Para avaliar a força que uma determinada área de vida terá na vida de uma pessoa, deve começar-se por olhar para a 1ª casa da carta divisional. A presença de vários planetas na 1ª casa da divisional mostra que essa área de vida terá um peso significativo na vida da pessoa.  Outro fator importante é quando o Ascendente da carta raiz- D-1- é o mesmo numa dada carta divisional. Em geral isso indica que essa área de vida será favorável, especialmente quando o regente do Ascendente está bem colocado na divisional, numa boa casa (excluem-se as casas dusthana). Mas se, pelo contrário, o regente do Ascendente estiver fraco e mal colocado, então essa área de vida dará fracos resultados.

Análise Dinâmica das Divisionais- Complementaridade com o Período Dasa

Na análise dinâmica, vemos como se desenrola no tempo o que é prometido pelas configurações natais. Estas mostram o potencial com que a pessoa nasce mas, até que ponto esse potencial se desenvolverá depende, entre outros fatores, dos trânsitos e da análise do período dasa. A compreensão dos efeitos do período dasa num certo momento pode ser melhorada através da análise complementar da colocação do planeta que rege o dasa nas cartas divisionais, para se determinar qual o sucesso expectável em dada área de vida num certo período (isto configura uma das «forças» específicas e um dos métodos quantitativos,  vimsopack bala) .

Os efeitos dependem de vários fatores, a começar pela colocação em casas positivas ou negativas:  as casas kendra e trikona são positivas; as casas 2 e 11 são tradicionalmente consideradas medianamente positivas; e as casas 6 8 e 12 são consideradas maléficas.

Por outro lado, como sabemos, os planetas também se dividem em benéficos e maléficos, sendo Mercúrio neutro ou considerado benéfico em certos contextos.

Alguns investigadores estabeleceram as seguintes regras para avaliar os efeitos de um planeta nas cartas divisionais:

  • Um planeta benéfico colocado numa casa benéfica dá bons resultados; se houver algum outro planeta colocado na casa oposta, os resultados são ainda mais benéficos: ex. Júpiter colocado no signo Sagitário na 9ª casa e Mercúrio colocado no signo Gémeos na casa oposta;
  • Um planeta benéfico colocado numa casa maléfica dá fracos resultados no período dasa, a menos que haja um planeta na casa oposta: ex., Júpiter colocado na 8ª casa e a Lua colocada na 2ª;
  • Um planeta maléfico colocado numa casa maléfica dá resultados negativos no seu dasa; se houver um planeta na casa oposta, os resultados serão ainda piores: ex., Saturno na 8ª casa e Marte na 2ª.
  • Um planeta maléfico colocado numa casa benéfica dá bons resultados no período dasa, a menos que haja um planeta colocado na casa oposta: ex., Saturno colocado na 5ª casa enquanto Mercúrio está colocado na 11ª casa.
  • Quando Rahu e Ketu estão colocados em casas opostas(nas divisionais) e não estão acompanhados por outros planetas, dão resultados positivos no seu dasa, para a área referida pela carta divisional em causa.

É claro que, para um certo planeta dar bons resultados no seu dasa, para além da sua posição na carta raiz e nas divisionais, precisa ainda de ser forte.  A força do regente do dasa é, aliás ,um fator dominante: se o planeta que rege o dasa estiver forte e colocado numa boa casa, os efeitos serão excelentes (de acordo com as promessas  globais permitidas pela D-1).  Quando o regente do dasa é forte mas está colocado numa casa maléfica, são de esperar desafios mas estes não impedem o sucesso na área representada pela divisional. Quando o regente do dasa é fraco e está  colocado numa boa casa na carta divisional, a pessoa encontra oportunidades mas estas não produzem efeitos muito significativos. Quando o planeta regente do dasa está fraco e colocado numa casa maléfica, são de esperar muitos desafios na área representada pela divisional e será muito difícil vencê-los.

Continuaremos a falar deste assunto no próximo artigo desta série.

Digiprove sealCopyright secured by Digiprove © 2018

Deixe um comentário, a sua opinião conta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.