Glossário Astrológico- Símbolos Sabianos

símbolos

Os símbolos sabianos tiveram o seu surgimento no século XX,  embora remetam para os tempos antigos da Mesopotâmia.

Um grande astrólogo do século XX, Dane Rudhyar, foi igualmente  um apreciador destes símbolos, tendo feito uma descrição dos mesmos  na obra Ciclos de Lunação. No entanto, foi outro astrólogo de referência da astrologia ocidental, Marc Edmund Jones,  que deu destes símbolos  a conhecer  ao mundo.

Marc E. Jones, tal como Dane Rudhyar, via a Astrologia como um caminho espiritual e  o seu desejo era encontrar, para cada grau do Zodíaco, algumas palavras, de caráter simbólico, que fossem sugestivas para os praticantes de astrologia.

Nesse intento, usou os dotes clarividentes de Elsie Wheeler. Esta, a propósito de cada grau do Zodíaco, visualizou psiquicamente as mensagens que compõem estes  símbolos sabianos.  Os dotes clarividentes de Elsie eram bem reconhecidos na altura  e Marc E. Jones publicou  um livro The Sabian Symbols in Astrology  em 1953.

Os símbolos sabianos, em número de 360, são  um conjunto de frases que descrevem o significado de cada um dos 360 graus do Zodíaco.

Essa descrição, de caráter simbólico, tem diferentes extensões, podendo ser constituída apenas por duas palavras ou por uma frase mais complexa. Cada frase exprime o significado desse grau, como se contasse uma história sobre o mesmo. Cada uma contém também a sua própria energia associada e única.

O interessante em relação aos símbolos sabianos é que, apesar de terem sido contextualizados na Astrologia, não é necessário conhecer as técnicas astrológicas para usar estes símbolos.

Os símbolos sabianos foram encontrados sem que a clarividente soubesse qual era o signo e o grau que estava a visualizar. Marc Jones refere que preparava um conjunto de cartões em branco, nos quais escrevia apenas, num dos lados, o nome do signo e o grau. Baralhava em seguida os cartões e, sem que  fosse visível o grau e o signo de cada um, colocava os cartões em frente de Elsie.

Esta, após a visão interior que lhe ocorria, escrevia a lápis a imagem simbólica no cartão que, apenas depois de ser virado, se sabia a que signo e grau correspondia. Foi deste modo por um processo psíquico de clarividência que estes símbolos- que alguns usam como oráculo- foi encontrado.

Estas sessões dividiam-se para encontrar, em cada uma, nove símbolos. No entanto, segundo os registos, todos os símbolos foram encontrados num único dia, com apenas breves intervalos para as refeições e pequenas pausas.

Apesar de Marc Edmund Jones ter considerado estas sessões com Elsie como  «uma experiência», nos anos seguintes confirmou a profundidade dos símbolos que Elsie revelara.

Jones afirmou que ela conseguiu sintonizar com  a matriz de pensamento dos antigos alquimistas  Sabianos da Mesopotâmia, e o seu saber intemporal,  voltando a materializar esse saber na época atual.

O nome «sabianos» refere-se a um antigo grupo de alquimistas que viviam em Harran, junto ao Eufrates. Esta cidade terá existido desde 3000 anos a. C. até ao século XIII  da era cristã. Era  também o repositório da sabedoria dos caldeus que, como se pensa, foi a fundadora de todas as correntes astrológicas da atualidade.

Nela viveu uma irmandade de alquimistas sabeus, que eram praticantes do hermetismo e da magia talismânica. Segundo Jones, um destes «irmãos» canalizou, através de Elsie, as imagens e palavras agora conhecidos como símbolos sabianos, que se chamam assim por terem sido obtidos através de mediunidade.

Quanto a Elsie, esta viveu toda a sua vida numa cadeira de rodas, devido a artrite reumatoide e era considerada uma vidente extraordinária, com a capacidade de ver imagens de forma rápida e muito clara.

Marc Edmund Jones considerava os símbolos como uma forma   privilegiada para permitir o desenvolvimento de uma sabedoria interior, desencadeada pelas palavras ou imagens , libertando energias subconscientes de modo a que a consciência seja capaz de as usar de forma compreensiva.

Dane Rudhyar concordava inteiramente com esta consideração, afirmando que os símbolos sabianos têm impacto na mente, levando-a a um processo de desvelamento interior que pode surgir sob a forma da intuição, favorecendo, por isso, o uso da astrologia como caminho de desenvolvimento espiritual.

Também Poderá Gostar de Ler