Glossário Astrológico- Tajika yogas na Análise Prashna

(alt=" ")

Fizemos menção, num artigo anterior, ao sistema Tajika, usado na Índia para a análise de períodos  mais curtos da vida, como um ano inteiro, meses ou dias.  Neste artigo vamos falar de alguns yogas Tajika e do seu significado na análise da Carta Prashna.

Os yogas Tajika são específicos deste sistema sendo, por isso, distintos dos que publicámos anteriormente neste site. O conhecimento dos princípios gerais de interpretação destas combinações é igualmente muito útil na análise astrológica em geral e, especialmente, na análise comparada de horóscopos , para avaliar a compatibilidade entre parceiros.

Yogas formados pela Relação de Casas

No sistema Tajika relacionado com a consulta Prashna que, como referimos em outro artigo se baseia na formulação de uma pergunta, a casa do horóscopo que significa o assunto dessa questão (karya bhava) e o Ascendente, têm uma importância fundamental, devendo contar-se o número de casas entre a casa que contém o regente do Ascendente e a casa que contém o regente da Karya bhava.

Assim, o foco aqui não é o tipo de aspeto que se estabelece entre estes dois regentes, mas a sua relação a partir das casas que ocupam.

E é o seguinte o significado dessa relação:

5/9- quando os dois regentes de que falámos  estão separados por 5 e 9 casas , este é considerado o aspeto mais forte e mais benéfico para o assunto em causa.

3/11– Este é um aspeto auspicioso, significando que os dois regentes são secretamente amigos.  Mas a sua força é baixa: o planeta que está colocado a 3 casas do outro tem 40% de força mas o aspeto de  11 casas do outro planeta tem apenas 10% de força. Mas este aspeto é sempre favorável para a questão em causa.

4/10- é um aspeto forte, oposto ao aspeto 5/9, tendo 75% de força mas é inimigo, sendo desfavorável para a questão em causa.

1/7– é o aspeto oposto ao 3/11. É também um aspeto inimigo, (secretamente inimigo) tendo 100% de força. É desfavorável para a questão em causa.

Nota importante: não basta a colocação de um planeta nas casas para que esteja em aspeto com outro nas casas referidas. É preciso, para além de estarem colocados nessas casas, que também estejam   dentro da órbita dos planetas em causa.

Então, é necessário ter em conta qual é a orbe de cada planeta:

Sol- 15; Lua- 12; Marte- 8; Vénus-7; Mercúrio- 7; Júpiter- 9; Saturno- 9. 

Deste modo, é preciso que um planeta, colocado numa das casas referidas, esteja num dos graus que formam a orbe do outro planeta. Esta orbe expande-se para ambos os lados.

Mas, para além deste fator, há ainda que ter em conta a velocidade dos planetas em causa, para determinar se se trata de um aspeto de formação ou de separação.

Os planetas mais rápidos, por ordem decrescente são: a Lua, Mercúrio, Vénus, Sol, Marte, Júpiter, Saturno. Os nodos ficam de fora na formação destes yogas. Mas se estiverem em conjunção com outros planetas isso é considerado um fator não auspicioso para o assunto da consulta, o mesmo acontecendo com a sua casa de colocação.

No próximo artigo falaremos desenvolvidamente de outros yogas Tajika usados na análise prashna e na consulta Varshaphal.

Também Poderá Gostar de Ler

Deixe um comentário a sua opinião conta